segunda-feira, 10 de abril de 2017

O DIA EM QUE WLADIMIR (CORINTHIANS) CONHECEU TATINHO (FERROVIÁRIA)





Ídolo corintiano, o lateral-esquerdo Wladimir tornou-se famoso e venerado pela massa alvinegra.
É o atleta com maior número de jogos em defesa do Timão: 805. Atuou no time de profissionais do Corinthians de 1972 a 1985.
Era um jogador muito aplicado, devotado de corpo e alma à causa corintiana. Muita fibra, muita garra caracterizando o empenho do correto e eficiente lateral.
Essas notáveis credenciais fortalecem o mérito de um jogador da Ferroviária, ponteiro-direito habilidoso, fintador, que começava a mostrar suas qualidades técnicas,  quando aconteceu um encontro que a torcida afeana e, principalmente, ele mesmo, jamais esquecerão.

Referimo-nos a Tatinho, o Eleziel Natanael Placedes, nascido em 11 de fevereiro de 1954, na cidade de Araraquara (SP). E o jogo se deu no dia 14 de março de 1976, na Fonte Luminosa. 
Mais do que nossas palavras para enaltecer o feito do jovem ponta, os jornais da época evidenciaram a sua façanha: deixar o Wladimir em dificuldade para marcá-lo. Tatinho aplicou, em determinado momento, um drible desconcertante, sempre lembrado pelos torcedores grenás que tiveram o privilégio de presenciar o lance. 
Faltou a vitória da Locomotiva, mas foi uma atuação marcante do camisa 7 grená, que resultou em comentários propalados pela mídia.

Num dos veículos de divulgação:
“Waldimir foi o jogador mais sacrificado, pela excelente figura do ponteiro Tatinho, que jogou gripado e teve que sair.”

E o lateral corintiano se manifestando:
“O garoto é muito bom. Finta e tem velocidade, o que veio a complicar nossa defesa. Gostei do ponteiro, que não me deu liberdade de ir à frente e poder auxiliar o Romeu, também marcado por um lateral que não lhe deu espaço. O empate acabou ficando bem pelo futebol de baixo nível que apresentamos, contra a boa Ferroviária.” 

Outras observações publicadas em jornais:
“Wladimir apenas não quis acreditar muito em Tatinho, mas este jovem desconhecido, fez o que nenhum extrema conseguiu fazer até hoje em cima do excelente marcador corintiano.”
“A Ferroviária, graças ao excelente desempenho de Wilson, ganhou a coordenação do meio de campo e passou a explorar com frequência ponta-direita, onde Tatinho ‘deitou e rolou’ à frente do Wladimir, batendo-o em quase todas as vezes. Pena que Tatinho não tenha jogado com inteira condição física. Momentos antes do jogo ele fez teste com o Dr. Nicolino e com o Prof. Borba, e quase não passou.”
“Tatinho, muito bom enquanto esteve na cancha. Substituído no segundo tempo por Izildo Gomes, seu trabalho teve continuidade, porque o jovem valor que veio de Guariba também conseguiu passar inúmeras vezes por Wladimir...” 

Ficha técnica do jogo
Ferroviária 0 x 0 Corinthians 
Data: 14 de março de 1976, domingo à tarde 
Local: Estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/1º turno 
Árbitro: Oscar Scolfaro 
Renda: Cr$ 272.575,00 (recorde)
Público: 19.007 pagantes e 68 menores (recorde) 
Ferroviária: Sérgio Bergantin; Marinho, Mauro, Sérgio Miranda e Carlos; Wilson Carrasco e Zé Rubens; Tatinho (Izildo Gomes), João Carlos, Tite e Ademir. Técnico: Vail Motta 
Corinthians: Tobias; Cláudio, Moisés, Ademir e Wladimir; Helinho e Tião; Vaguinho (Ivan), Adilson (Geraldão), Lance e Romeu. Técnico: Milton Buzetto 
Observação: Na preliminar, o time juvenil da Ferroviária recebeu a Copa Wilson Silveira Luiz, de campeã de 1975 e ganhou do INA, da Capital, por 3 a 1. 


Fontes:
Recortes de jornais cedidos por Tatinho
Acervo de “Ferroviária em Campo” 
Fotos: Internet; Tatinho.

Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Nenhum comentário:

Postar um comentário