sexta-feira, 3 de março de 2017

NORINHO, PONTA-DIREITA, UM DOS CAMPEÕES AFEANOS NO JAPÃO







Nome: Norival de Almeida Filho 

Data de nascimento: 1 de novembro de 1972

Cidade natal: Américo Brasiliense-SP

Posição: Ponteiro-direito 



Entre os oito jovens atletas afeanos que se tornaram campeões juniores no Japão, ao participar de um Torneio Internacional – SBS CUP International Youth Soccer – que contou com grandes equipes de diversos países de relevo no futebol, encontrava-se NORINHO, ponta-direita, nascido na cidade de Américo Brasiliense. Aconteceu em agosto de 1991.

Precisou muito empenho por parte da Ferroviária, em especial de Bazani,  e de Pio (então Secretário de Esportes de Américo Brasiliense), para conseguir a liberação do atleta.

Antes de narrar os pormenores desse esforço, vamos saber com Norinho alguns aspectos de sua carreira:

“Joguei na Ferroviária, no Infantil, em 1987, com o Tota. Acho que disputei o 1º Campeonato Paulista Infantil disputado pela AFE.

Aí, o Bazani vinha sempre atrás de mim para jogar nos Juniores. Só que fui jogar no Ituano. O Carrasco que me levou.”

Bazani, Norinho, Fernando Leite e Sandro Amorim

A LUTA PARA NORINHO IR AO JAPÃO

Em 1991, a Ferroviária me fez uma proposta: se eu assinasse eu iria para o Japão.

Aí, o Pio, que era Secretário de Esportes de Américo conseguiu minha liberação no Ituano, assinei com a Ferroviária e fui pro Japão.

No Japão, Norinho foi um dos campeões do Torneio Internacional de Juniores, pelo combinado paulista formado por Ferroviária e Mogi Mirim. Foram oito atletas da AFE e oito do Mogi. Os brasileiros enfrentaram adversários muito fortes: Sampdória (Itália), Bayern de Munique (Alemanha), Cheong High School (Coreia) e Seleção de Shizuoka (Japão). Trouxeram a taça de campeões, honrando o futebol nacional do Brasil. 

Norinho lembra-se que tinha, como parceiro de quarto, o goleiro Robertão. 

Norinho com Sandro Amorim


Você jogou no profissional?
“Joguei só amistosos, nos aspirantes. Eu estava treinando no profissional com o técnico Fito Neves.”

E depois da Ferroviária?
“Depois da Ferroviária não atuei por outros clubes.”

Norinho, Ramello, Sandrinho e Wilson Cavuco junto com a Seleção da Russia

Assim, o jovem de 18 anos, de Américo Brasiliense, passou por uma experiência rara, de chegar ao outro lado do planeta, mostrar o seu futebol e sentir a agradável sensação de conquistar um título de projeção internacional, em nome do futebol de seu país.

E isso tudo acontecendo sob o comando técnico e liderança de um cidadão extraordinário, cuja história se confunde com as glórias maiores da Ferroviária: Olivério Bazani Filho. 


Norinho foi ouvido por Paulo Micali, de “Ferroviária em Campo”
Fotos: Norinho

Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Nenhum comentário:

Postar um comentário