quarta-feira, 15 de março de 2017

FERROVIÁRIA EXTREMISTA


Acima: Ferroviária 1955, 1966 e 2015. Abaixo: 1965 e 1996.

A Ferroviária é radical quando se trata de subidas e descidas. Quando sobe, é primeirona... quando desce, é lanterna incontestável. Essa colocação é válida quando se trata de acessos conquistados junto à divisão principal do futebol paulista e descensos dessa mesma divisão para a imediatamente inferior.

Vamos conferir?

Em 1955, a AFE alcançou a Primeira Divisão como legítima campeã, goleando o Botafogo de Ribeirão Preto, na penúltima rodada, por 6 a 3. Sua campanha foi irretocável. Subiu com sobras.

Em 1966, numa decisão épica contra o XV de Piracicaba, em dois jogos no Pacaembu, embaixo de muita chuva, os grenás araraquarenses sagraram-se campeões em conquista brilhante.

Em 2015, em nova e espetacular campanha, a AFE voltou a ser campeã e retornou à elite do futebol bandeirante. Naquele ano, quatro clubes foram promovidos à elite: Ferroviária, Grêmio Novorizontino, Oeste e Água Santa. A Ferroviária disparou na pontuação, com 44; em segundo lugar ficou o Novorizontino, com 36. 


The other side

Em contrapartida, quando cai, a Locomotiva não deixa margem a qualquer dúvida quanto à sua condição de rabeira, de pior de todos os concorrentes.

Assim foi em 1965, ao terminar o Paulistão com apenas 13 pontos ganhos, em 60 possíveis. O penúltimo colocado, XV de Piracicaba, que também caiu, somou 18, cinco a mais que os afeanos.

Assim voltou a ser, em 1996, quando os grenás se posicionaram na 16ª e última colocação, com ínfimos 12 pontos ganhos, sendo que o penúltimo classificado, XV de Jaú, somou o dobro, 24 pontos. Além de Locomotiva e Galo da Comarca, também o Novorizontino foi rebaixado, somando 28 pontos. Aliás, essa foi a pior de todas as presenças afeanas no Paulistão: jogando 30 vezes, a AFE ganhou apenas uma partida, contra o Mogi Mirim, na Fonte.
Então...

Fica demonstrado que quando vai bem, a Ferroviária é a melhor... mas quando vai mal, ela não quer ninguém pior.

O extremismo vai acontecer de novo?

O que vemos até aqui, no Paulistão em curso, é a Ferroviária repetindo a dose: está na iminência de cair, posicionada em último lugar, num campeonato que rebaixa dois clubes.

Com apenas cinco pontos ganhos em 24 disputados, a agremiação grená da Morada do Sol dá mostras de que não abandona o radicalismo: Vamos subir? Que seja como campeões! Vamos cair? Que seja como lanterninhas.

Extremista essa nossa Ferroviária de Araraquara...


Fontes:
Acervo de “Ferroviária em Campo”
Wikipédia
Futebolpaulista.com.br 
Fotos: Museu da Ferroviária


Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Um comentário:

  1. Onde consigo imagens dos jogos da Ferroviária, existe algum local que ficar imagens digital arquivadas?

    ResponderExcluir