sábado, 19 de novembro de 2016

A BEM SUCEDIDA EXCURSÃO DA FERROVIÁRIA A BRASÍLIA, EM 1964


em pé, da esq. para a direita: Toninho, Hugo, Geraldo Scalera, Fogueira, Galhardo e Rodrigues;
agachados: Paulinho, Alencar, Tales, Capitão e Rezende

  
JOSÉ RICARDO ALMEIDA é pesquisador do futebol brasiliense e elaborou uma matéria muito interessante sobre a presença da Ferroviária em Brasília, no ano de 1964. Ele mantém um blog com o nome “Almanaque do Futebol Brasiliense”, de conteúdo muito apreciado.

Naquela oportunidade, 1964, a Locomotiva deixou a melhor das impressões na capital federal, obtendo placares elásticos.

“Ferroviária em Campo” tem grande satisfação em reproduzir o inteiro teor do trabalho de José Ricardo, tornando público o agradecimento pela felicidade de contar com os detalhes de mais um capítulo vitorioso da Ferroviária de Araraquara, sob a ótica de um estudioso do futebol de fora da Morada do Sol. Vamos ao texto:


“A Ferroviária, de Araraquara (SP) realizou uma pequena excursão de três jogos por campos de futebol de Brasília no mês de maio de 1964. O primeiro adversário foi o Grêmio.


Grêmio 0 x 5 Ferroviária, de Araraquara Data: 24.05.1964 Local: Vasco Viana de Andrade Árbitro: Aristeu Santana Renda: CR$ 750.000,00 Gols: Tales, 13; Alencar, 19; Rezende, 64; Zé Maria, 76 e Paulinho, 80 Grêmio: Weldas, Saldanha, Clemente e Bimba (Walter); Martins e Joãozinho (Orlando); Itiberê (Azulinho), Nobre, Avancini (Aragão), Bugue (Jaimir) e Sérgio. Ferroviária: Toninho, Geraldo, Fogueira (Fernando Sátiro), Rodrigues e Galhardo (Zé Maria); Adão e Capitão; Paulinho, Alencar (Coquinho), Tales (Wilson) e Rezende (Pio).


Rabello 2 x 4 Ferroviária Repetindo a boa exibição que fez diante do Grêmio, em 27 de maio de 1964 a Ferroviária voltou a vencer em Brasília, desta feita a equipe do Rabello. Exibindo um futebol fácil, prático e objetivo, a Ferroviária alcançou um triunfo justo e sem qualquer contestação. A Ferroviária alcançou o tento inaugural aos 15 minutos do 1º tempo, por intermédio de Alencar, concluindo um ótimo passe de Capitão. Aos 28 minutos, a Ferroviária aumentou para 2 x 0, com um gol de Tales, que se aproveitou de falha do zagueiro Melo. No 2º tempo, aos 26 minutos, nasceu o primeiro gol do Rabello, assinalado por Ayres, que entrara em substituição a Vitinho. O empate veio aos 29 minutos, com um gol de placa de Beto Pretti. Djalma cobrou escanteio para dentro da área, Farneze subiu e cabeceou para Beto Pretti que, de costas para o gol, atirou de calcanhar, surpreendendo o goleiro. Ainda estavam comemorando o gol de empate os jogadores do Rabello quando foram surpreendidos pelo terceiro gol da Ferroviária, marcado por Rezende, aos 32 minutos. Aos 42 minutos surgiu o último tento da peleja, consignado por Alencar, recebendo um passe de Tales. O Rabello jogou com Gaguinho, Aderbal, Melo, Betão e Ivan; Farneze e Beto Pretti; Sabará, Djalma, Amauri e Vitinho (Ayres). A Ferroviária formou com Toninho, Geraldo, Fogueira, Rodrigues e Galhardo; Hugo e Capitão; Coquinho, Alencar, Tales e Rezende. Técnico: José Agnelli. Na fase derradeira entraram Fernando Sátiro, Paulinho e Zé Maria. Dirigiu o jogo com boa atuação Nero Dias Nogueira. A renda do encontro foi de CR$ 1.050.000,00.


Defelê 0 x 5 Ferroviária Data: 30.05.1964 Ciro Machado do Espírito Santo Árbitro: Emílio dos Santos Vieira Renda: CR$ 375.000,00 Gols: Tales, 15 e 24; Alencar, 29; Paulinho, 54 e Tales, 62 Defelê: Tonho, Luziné, Euclides (Múcio), Parola (Bosco) e Wilson Godinho; Matarazzo (Leônidas) e Reinaldo; Manoelzinho, Bawany, Alaor Capella (Arnaldo) e Fernandinho. Ferroviária: Toninho, Geraldo, Fogueira (Zé Maria), Rodrigues e Galhardo; Hugo (Fernando Sátiro) e Capitão (Coquinho); Paulinho, Alencar, Tales (Wilson) e Rezende (Pio). Técnico: José Agnelli.”


J. R. Almeida
Foto do time da Ferroviária gentilmente enviada pelo autor da matéria, José Ricardo Almeida.




Abertura, transcrição e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Nenhum comentário:

Postar um comentário