terça-feira, 1 de março de 2016

NANDES


Nandes, no centro, repórter Wagner José Bellini e Fordinho à direita


José Fernandes Ramos, o Nandes do futebol, jogava pelo Comercial de Campo Grande. A Ferroviária empenhou-se para tê-lo. Ofereceu, inicialmente, 50 mil cruzeiros. O clube mato-grossense não aceitou, pedindo o dobro. Na sequência das negociações, a Ferroviária acabou concordando com os cem mil pedidos e contratou o meio-campista.





ESTREIA NO PAULISTÃO

Foi no dia 29 de outubro de 1978, um domingo, às 16 horas. Na Fonte Luminosa, a Ferroviária empatou com o Guarani, 2 a 2. O público total foi de 5.985 pessoas. João Carlos e Cuca fizeram os gols grenás. A Ferroviária formou com: Aranha; Nei Dias, Mauro, Samuel e Cuca; Paulo César, Washington e Alfredo (Carlos Henrique); Bispo, João Carlos e Galdino (Nandes).




Portanto, a estreia de Nandes foi em substituição a Galdino, durante a partida.

Depois disso, no compromisso seguinte dos afeanos, Nandes começou jogando contra a Portuguesa, no dia 8 de novembro de 1978, na capital, no empate de 2 a 2. Daí em diante, ele não mais saiu do time, sustentando uma performance digna de louvor.





REGULARIDADE IMPRESSIONANTE

Não era um futebolista técnico, mas supria esse aspecto com uma garra incomum dentro de campo. Na primeira fase de sua presença na Locomotiva, Nandes manteve uma regularidade formidável. De 29 de outubro de 1978 a 26 de outubro de 1980, atuou em 106 jogos oficiais de competição, por três edições do Paulistão e uma edição da Taça de Prata (o então Campeonato Brasileiro da Série B).

A Ferroviária realizou, em tal período, 116 partidas oficiais de competição; portanto, Nandes ficou de fora em apenas 10 jogos. Nos 106 prélios que realizou por campeonatos, ele só não começou o jogo em uma única vez. Somente não atuou o tempo todo de jogo em sete ocasiões. Assim, atuou o jogo todo em 99 oportunidades.

Não era um meio-campista que arriscasse muito o ataque; era mais de marcação e anotou somente dois gols em prol da Ferroviária. Jogava com muita determinação e vontade e exercia liderança em campo; tanto que se tornou o capitão do time.

Formou o meio-de-campo grená com craques do porte de Douglas Onça, Zé Roberto e Washington.




FEITOS DA AFE, COM NANDES

Nandes ajudou a Ferroviária a conseguir o oitavo lugar do Paulistão em 1979, uma competição bastante longa na qual os afeanos chegaram à fase semifinal, quase alcançando a etapa mais importante quando decidiu a vaga na Fonte Luminosa, contra o Botafogo, e não conseguiu a necessária vitória, ficando no empate, num jogo de casa quase cheia.

Foi peça importante na campanha destacada da AFE na Taça de Prata de 1980, na qual o time chegou às semifinais, parando no CSA.

Mesmo na segunda fase de sua presença nas atividades junto à agremiação de Araraquara, Nandes chegou a atuar durante uma das partidas do Torneio Seletivo levantado pelo time, o que o tornou também campeão da competição.





UM ANO E DOIS MESES SEM JOGAR

A fatalidade iria ceifar essa trajetória brilhante de um jogador eminentemente esforçado e focado. Vítima de uma contusão mais séria, Nandes acabou ficando um ano e dois meses fora dos gramados. Não atuou em 1981.

Quando voltou, em 1982, não conseguiu firmar-se novamente com a titularidade. Realizou apenas uma partida válida por competição, no dia 18 de abril de 1982, na Fonte Luminosa, pelo Torneio Seletivo da FPF, Ferroviária 2 x 0 São Bento, justamente na decisão do Grupo B. Entrou durante o jogo, no lugar de Claudinho.

Antes, houvera realizado apenas partidas amistosas com o mistão grená. Participou do jogo de entrega de faixas aos afeanos, campeões do Seletivo, contra a Inter de Limeira, em 6 de junho de 1982, na Fonte (AFE 1 x 2 Inter).

Em seguida, no dia 9 de junho de 1982, uma quarta-feira à noite, Nandes apareceu pela última vez envergando a camisa grená, no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, em amistoso vencido pelo Botafogo por 2 a 0. Naquele dia, a Ferroviária atuou com:
Abelha; Marinho Paranaense, Vica, Pinheirense e Divino; Nandes, Zilinho (Lavinho) e Douglas Neves; Jorginho, Fantato e Claudinho (Olésio). Técnico, Sérgio Clérice.


NO MARÍLIA

Deixando a Ferroviária, Nandes ainda atuou pelo Marília, onde chegou a reabilitar-se da fase final na Locomotiva.






CLUBES

Nandes defendeu um grande clube do futebol brasileiro, o Botafogo de Futebol e Regatas do Rio de Janeiro. Marcou presença, sendo campeão, no Comercial de Campo Grande. Teve uma trajetória marcante na Ferroviária e jogou também no Marília Atlético Clube.




FONTES:
Acervo de “Ferroviária em Campo”
Facebook de Marcelo Galante
Fotos: Facebook Marcelo Galante (filho de Nandes)


Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Um comentário:

  1. Excelente homenagem a este grande atleta. Tenho orgulho de ser seu irmão.
    Ginho

    ResponderExcluir