sábado, 31 de dezembro de 2016

CORINTHIANS E FERROVIÁRIA PARTICIPARAM DE RODADA DUPLA NA COLÔMBIA, EM 1963



Estádio Palogrande - Manizales (Col)


Foi no dia 23 de janeiro de 1963, uma quarta-feira, em Manizales, no estádio Palogrande.

Na preliminar, a Ferroviária enfrentou o Deportivo Pereira, da Colômbia, e perdeu de 1 a 0.

No jogo principal, o Corinthians bateu o time colombiano do Caldas, por 1 a 0.

Na referida rodada dupla, eis os dados técnicos dos jogos da Ferroviária e do Corinthians:


Preliminar:
   
Deportivo Pereira (COL)  1 x 0  Ferroviária

Árbitro: Bella Rosenfeld (húngaro)
Público: 20.000 pessoas
Gol: Romero, 36 minutos do segundo tempo
Pereira - Casco; Chavez e Palomino; Mesa, Baez e Veja; Ramos, Manjarres, Romero, Millan (Escobar) e Diez
Ferroviária - Toninho; Geraldo Scalera, Antoninho e Zé Maria (Galhardo); Dudu e Rodrigues; Peixinho (Tião Nego), Cido (Tales) (Mário), Capitão, Bazani e Benny (Aílton). Técnico: Francisco Sarno


Principal:

Caldas (COL)  0 x 1  Corinthians

Árbitro: Guilliem Velásquez
Gol: Silva, 34 minutos do segundo tempo
Expulsão: Marcos (Corinthians)
Corinthians - Arlindo; Augusto, Eduardo e Ari Clemente; Amaro e Oreco; Marcos, Felício, Manoelzinho, Cássio e Lima. Técnico: Fleitas Solich

A Ferroviária realizou 8 (oito) partidas na Colômbia, vencendo seis e perdendo duas.

O Corinthians realizou 4 (quatro) jogos em território colombiano, ganhando três e perdendo um.


Os resultados da excursão da Ferroviária, na Colômbia, em 1963:

1 - 20.01.1963 - Cúcuta Deportivo  0 x 4  Ferroviária

2 - 23.01.1963 - Deportivo Pereira  1 x 0  Ferroviária

3 - 27.01.1963 - Once Caldas  5 x 4  Ferroviária

4 - 30.01.1963 - Atlético Nacional  0 x 6  Ferroviária

5 - 03.02.1963 - Deportivo Independiente  1 x 2  Ferroviária

6 - 08.02.1963 - Deportivo Atlântico  0 x 2  Ferroviária

7 - 10.02.1963 - Club Union Magdalena  1 x 3  Ferroviária

8 - 12.02.1963 - Deportivo Barranca  0 x 7  Ferroviária


Os resultados do Corinthians, na Colômbia, em 1963:

1 - 13.01.1963 - Independiente Santa Fé  0 x 1  Corinthians

2 - 20.01.1963 - Millonarios  4 x 2  Corinthians

3 - 23.01.1963 - Caldas  0 x 1  Corinthians

4 - 27.01.1963 - Santa Fé  0 x 1  Corinthians

Elaboração e edição "Ferroviária em Campo": Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

FERROVIÁRIA, CAMPEÃ AMADORA DE 1960






Recordar é viver... fortes emoções.

Quem é das antigas e acompanhou a história do futebol da Ferroviária, inclusive o amador, por certo se lembrará dessa conquista e dos integrantes do time campeão grená.

A Ferroviária, além de ir muito bem no profissional, reuniu um grupo de futebolistas de qualidade que a defenderam no Campeonato Amador daquele ano.

Nessa foto rara, captada ao acaso na internet, sem registro de sua origem, vemos o então técnico campeão PICOLIM, um tanto quanto "robusto" (primeiro à esquerda, em pé). Vemos também o massagista Zé Catira, primeiro à esquerda, agachado. Ambos figuras de muita dedicação ao longo de muitos anos mostrando competência em favor da Ferroviária.

Em número de 12, aparecem os atletas campeões amadores de 1960. Ao menos um deles, o Primiano, jogou também em defesa do Sporting Benfica Araraquara, clube amador de Araraquara.

"Ferroviária em Campo" gostaria de saber a respeito da propriedade dessa importante foto. Não apenas para darmos os devidos e merecidíssimos créditos, mas também para, quem sabe, descobrir mais detalhes a respeito dos jovens campeões e do seu encaminhamento na carreira futebolística. O goleiro Urias foi outro destaque do futebol amador. Rui e Liminha, se não nos enganamos, também se destacaram. Mas seria de valor inestimável termos maiores informações de pessoas que acompanharam o futebol desses então jovens jogadores... ou quem sabe termos manifestações de alguns deles próprios, o que seria mais relevante ainda.

Seja como for, achamos que, mesmo sem termos informações mais precisas, é de fundamental importância darmos divulgação desse instantâneo que comprova mais uma das inúmeras conquistas da Associação Ferroviária de Esportes.

Divirtam-se, saudosistas!!!

Observação: Após a elaboração da matéria, "Ferroviária em Campo" descobriu a procedência da foto: localizada no facebook do professor Francisco Castro.

A foto foi colorida por ele.

Elaboração e edição "Ferroviária em Campo": Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

FERROVIÁRIA NA FONTE – ANO X (1960)


Em pé: Rosan, Porunga, Antoninho, Cardareli, Dirceu Careca e Rodrigues.
Agachados: Faustino, Dudu, Pimentel, Baiano e Beni


1960 – Ano em que os grandes clubes conheceram a força da Ferroviária: vitórias contra Fluminense, Portuguesa, Santos e Corinthians. Empates contra Palmeiras e São Paulo. Invicta em 1960, na Fonte Luminosa, contra os clubes de maior expressão.

No geral, o desempenho “em casa” não acompanhou esse nível, pois a AFE conheceu cinco derrotas (25%) em 20 jogos realizados.

O ataque assinalou o dobro dos gols sofridos pela defesa: 52 a 26.

Jogos realizados na Fonte Luminosa em 1960: 20 (17 pelo Campeonato Paulista e 3 amistosos).

Vitórias: 11; empates: 4; derrotas: 5.

Gols marcados: 52; gols sofridos: 26; saldo de gols: 26.


Artilheiros grenás na Fonte em 1960:

1º - Baiano, 13 gols

2º - Faustino, 7

3º - Dudu e Bazani, 6

5º - Pimentel, 5

6º - Miranda e Palico, 4

8º - Benny, 2

9º - Antoninho, 1

(e mais 4 gols contra)




BAIANO, ARTILHEIRO MAIOR DA FONTE EM 1960, FOI CONTRATADO PELO SÃO PAULO

Baiano (Carmo Davi), grande goleador grená, marcou 13 tentos na Fonte Luminosa, no ano de 1960. Marcou outros também fora da Fonte. Aí, então, o tricolor do Morumbi se interessou por ele e o levou.

No SPFC, já no Campeonato Paulista de 1961, Baiano seria o artilheiro número 1 do time.



Dudu
JOGARAM NA FERROVIÁRIA EM 1960:

Fia, Rosan, Bacan, Ismael, Porunga, Cardarelli, Antoninho, Walter, Helcias, Mário, Domício, Zé Maria, Lucas, Dirceu, Rodrigues, Bauer, Pimentel, Amaral, Faustino, Cardoso, Baiano, Benny, Dudu, Palico, Bazani, Miranda, Eusébio 







OS 20 JOGOS DA FERROVIÁRIA NA FONTE LUMINOSA, EM 1960

(Nº de ordem – Jogo – Data – Finalidade – Artilheiros afeanos)

1 – Ferroviária 3 x 2 Botafogo (SP) – 12.03.1960 – Amistoso – Gil (contra) e Benny (2)

2 – Ferroviária 5 x 1 Fluminense (RJ) – 16.03.1960 – Amistoso – Baiano (2), Faustino, Bazani e Dudu

3 – Ferroviária 1 x 2 Portuguesa Santista –27.03.1960 – Amistoso – Bazani

4 – Ferroviária 0 x 2 Botafogo (SP) – 29.06.1960 – Campeonato Paulista

5 – Ferroviária 3 x 1 Jabaquara – 06.07.1960 – Campeonato Paulista – Dudu, Miranda (pênalti) e Bazani

6 – Ferroviária 5 x 0 Corinthians (Presidente Prudente) – 17.07.1960 – Campeonato Paulista – Miranda, Bazani, Dudu, Baiano e Cotia (contra)

7 – Ferroviária 3 x 2 América (SP) – 07.08.1960 – Campeonato Paulista – Faustino, Dudu e Baiano

8 – Ferroviária 1 x 2 Guarani – 14.08.1960 – Campeonato Paulista – Bazani

9 – Ferroviária 3 x 1 Portuguesa – 17.08.1960 – Campeonato Paulista – Baiano (2) e Pimentel

10 – Ferroviária 3 x 3 Ponte Preta – 14.08.1960 – Campeonato Paulista – Baiano (2) e Faustino

11 – Ferroviária 4 x 0 Santos – 04.09.1960 – Campeonato Paulista – Antoninho, Dalmo (contra), Baiano e Faustino

12 – Ferroviária 0 x 0 Palmeiras – 11.09.1960 – Campeonato Paulista

13 – Ferroviária 1 x 2 Portuguesa Santista – 01.10.1960 – Campeonato Paulista – Clóvis (contra)

14 – Ferroviária 1 x 1 Comercial (Ribeirão Preto) – 09.10.1960 – Campeonato Paulista – Miranda

15 – Ferroviária 6 x 0 Taubaté – 16.10.1960 – Campeonato Paulista – Baiano (3), Faustino (2) e Miranda

16 – Ferroviária 2 x 1 Corinthians – 30.10.1960 – Campeonato Paulista – Pimentel (2, sendo 1 de pênalti)

17 – Ferroviária 1 x 1 São Paulo – 26.11.1960 – Campeonato Paulista – Baiano

18 – Ferroviária 6 x 2 Juventus – 13.11.1960 – Campeonato Paulista – Pimentel (2), Bazani, Faustino, Palico e Dudu

19 – Ferroviária 0 x 2 Noroeste – 27.11.1960 – Campeonato Paulista

20 – Ferroviária 4 x 1 XV de Piracicaba – 04.12.1960 – Campeonato Paulista – Palico (3) e Dudu


Fonte:

Acervo de “Ferroviária em Campo”
Fotos: Museu da Ferroviária


Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

MASTERS DA FERROVIÁRIA


Zézito, Narciso, Anderson, Douglas Onça, Marcão, Vavá, Divino, Marco Antônio, 
Herminio, Mauro Pastor, Gilmar, Edmilson, Juca, Marinho Rã,
 Gallo, Carlos Henrique, Rosa, Miltinho, Gerson, Donato, Edu Rosa



Eles cumprem, além do prazer da prática do futebol, uma elogiável finalidade filantrópica, realizando jogos de caráter beneficente.

Atletas sempre lembrados por históricos admiráveis no profissionalismo, os ex-afeanos seguem exibindo com orgulho o uniforme da Ferroviária de Araraquara.


As fotos desta postagem mostram o elenco dos Masters grenás.





Foto gentilmente enviada por Samir Gimenes, historiador do Guaçuano,
que foi presenteado com ela pelo ex-afeano Donato, que jogou também no Guaçuano.







FOTOS: FACEBOOK FERROVIÁRIA MASTERS

Elaboração e edição "Ferroviária em Campo": Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

domingo, 25 de dezembro de 2016

PEIXINHO RESOLVEU O PROBLEMA DO JUIZ


Pepe, Antoninho e Peixinho

No site "De Trivela", na Seção "Causos do Futebol", vamos encontrar uma historinha contada pelo ex-ponteiro esquerdo PEPE, do Santos Futebol Clube. Nela, é citada a Ferroviária de Araraquara e o seu zagueiro central Antoninho, bem como o ponteiro direito Peixinho. Relato muito divertido que "Ferroviária em Campo" registra em seu blog.

Houve um juiz, João Ceves, que era famoso por seus "arranjos" para beneficiar este ou aquele clube. Em Araraquara, jogavam Ferroviária e Botafogo, de Ribeirão Preto e nosso amigo Ceves, disposto a ajudar o clube da casa, apitou um pênalti contra o Botafogo. O cobrador oficial da Ferroviária, que era o zagueiro Antoninho, desperdiça a cobrança. Mais alguns minutos, Ceves apita outro pênalti. Novamente Antoninho perde a cobrança. Quase no fim do jogo, mais um pênalti. Antoninho pega a bola, preparando-se para efetuar a cobrança, quando nosso amigo Ceves toma a bola do infeliz, mete-lhe o cartão vermelho no nariz, dizendo: Aqui você não bate mais bosta nenhuma... Determina então que Peixinho efetue a cobrança, que bate e converte. Aí então, Ceves apita o fim do jogo...


Fonte: Site "De Trivela"

Elaboração e edição "Ferroviária em Campo": Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

OS JOVENS WILSON LUIZ, PAULO BIM E PIO






A foto é do acervo inesgotável de Wilson Silveira Luiz. Do dia 3 de dezembro de 1968, tirada no Hotel Caribana, em Barranquilla, Colômbia, durante a terceira excursão da Ferroviária ao exterior.

Paulo Bim e Pio eram atacantes de relevância no time. Wilson Luiz era o homem da mídia esportiva que cobria a excursão com sua reconhecida competência.

Jovens e bem informados, liam o jornal local "El Heraldo".

Uma pergunta indiscreta ao "seu" Wilson:  Quem traduziu o texto? Foi o senhor ou trabalho em equipe? (rsrs)

Outra pergunta: O que falavam da Ferroviária? Naturalmente só elogios, não?

48 anos se passaram, mas certamente esse instantâneo fará o trio recordar muitos fatos daquela vitoriosa ida afeana ao exterior.


Foto gentilmente enviada por Wilson Silveira Luiz.

Elaboração e edição "Ferroviária em Campo": Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

LAVINHO: CATEGORIA EM CAMPO EM BENEFÍCIO DA FERROVIÁRIA





Nome: Olavo Donizeti Teixeira Mendonça

Data de nascimento: 16 de março de 1959

Local: Motuca, então distrito do município de Araraquara (SP)



Quem o viu jogando se deleitou com seu futebol mágico. Quem não o viu mas acompanhou o esporte, na certa soube de seus predicados pelos constantes elogios.

Lavinho foi mais uma das muitas revelações da base afeana por meio de Bazani, que o preparou.

De poucas palavras, quieto em seu espaço, Lavinho era todo concentração em função da bola. Por isso guardava profunda intimidade com ela.

Lavinho amava jogar bola. Mais pela prática em si, menos por furor competitivo.

A plástica antes da gana de vencer (não que não a tivesse).
Corpo ereto, cabeça erguida, bola no chão. Passes perfeitos, conclusões em belo estilo.

Mário Travaglini, técnico da seleção paulista de juvenis, que o convocou, se impressionou com suas qualidades. Definiu-o como o melhor jogador juvenil do futebol brasileiro.


TRAJETÓRIA



Lavinho começou no dente-de-leite do Flamenguinho (de Benedito Silva, o popular Tim), onde sagrou-se bicampeão da cidade. Teve passagem também pelo Colorado do Zé Lemão.




Depois, mostrou seu futebol clássico no Estrela Futebol Clube da Vila Velosa, tornando-se campeão juvenil citadino.


Primeiros títulos que ele teve a maior alegria de conquistar e os cita sempre, como feitos inesquecíveis.




Ingressando na Ferroviária, Lavinho foi lapidado pelo Rabi, o Bazani inesquecível. Frio, calmo, o garoto gerou desconfiança em algumas pessoas que viam nisso uma barreira para o seu deslanche. Com o tempo, sua classe se espraiou pelos gramados e o futebol conheceu os predicados do motuquense.


A Ferroviária teve a felicidade de contar com seus atributos futebolísticos de 1978 a 1982, no profissional. De mais importante no futebol da Locomotiva, nesse período, as duas participações na Taça de Prata, em 1980 e 1981. Competição que equivalia ao atual Campeonato Brasileiro da Série B. Além disso, em 1982, último ano de Lavinho na AFE, o time realizou brilhante campanha no Paulistão, terminou na sexta colocação e garantiu presença na Taça de Ouro de 1983, que era o Brasileirão.



Nenhum grande o levou. Pior para eles, pior para o futebol. Apesar de interesses manifestos de São Paulo e Palmeiras, transações não aconteceram. Assim noticiaram os jornais da época.

Como tudo tem seu tempo, o ciclo de Lavinho na Ferroviária terminou em 1982.




Então, clubes como Lemense, Itumbiara, Marília e Novorizontino tiveram o privilégio de contar com o seu futebol de estilo.





IDENTIFICAÇÃO COM O FUTEBOL

O futebol de primeira qualidade do meia-esquerda Lavinho caberia em qualquer time grande. Quando houve interesse de grandes agremiações, a Ferroviária não o cedeu naturalmente porque tentou valorizar a revelação de seu departamento amador. Mas o grande futebol de Lavinho foi visto pela galera grená durante um bom período, em tempos de grandes emoções.





Formado em Educação Física pela Federal de São Carlos, Lavinho vem trabalhando nas categorias de base do futebol de Araraquara. Aos sábados, ele comanda o futebol feminino ensinando os segredos da bola para as garotas que se iniciam na prática desse esporte.




Desde muito jovem, Lavinho viveu o ambiente do futebol. Dele jamais se afastou e certamente seguirá nele indefinidamente.


GALERIA:


































Caminhos abertos por Leonel Peixe para a viabilização desta matéria.

Informações, fotos e recortes de jornais gentilmente fornecidos por Marisa Runisi.


Elaboração e edição de Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

VOCÊ SE LEMBRA DO TIAGO LOQUETE? ELE JOGOU NA FERROVIÁRIA...


(Não se lembra? Mas certamente não voltará a dizer não se ajudarmos: ele é o TIAGO TIZIU!)




Tiago Henrique Loquete é araraquarense nascido em 8 de março de 1984. Começou na base da Ferroviária. No clube em dois períodos distintos, jogou de 2004 a 2007 (2004 e 05, no sub-20; 2006 e 07, no principal) e voltou em 2010.

Sagrou-se campeão da Copa FPF, em 2006. Na segunda presença, participou do acesso da A3 para a A2, em 2010.

Tiago Tiziu, um atacante rápido, agilizava o jogo do time. Jogava na ponta, pelos dois lados do gramado, invariavelmente com muita aplicação.

Depois de fazer sua história inicial na AFE, ele mudou de ares ainda em 2007, seguindo para Taquaritinga, por empréstimo.  

Tiago - São José

Tiago - Mixto
Defendeu o Águia do Vale, São José, em 2007-08; o União São João, em 2008; o Mixto-MT, em 2009; voltando para a Locomotiva em 2010.

Ficou somente um ano no segundo estágio de Araraquara, subindo com a equipe para a A2 do certame paulista.

Tiago - Francana


 Em 2011 jogou pela Francana; então, tornou sua carreira internacional atuando em Malta pelo Mellieha, no biênio 2011-12.

Tiago - Mellieha
Tiago - Araxá

Voltou ao Brasil em 2013 para jogar no Mato Grosso, com a camisa do Ivinhema. No mesmo ano, passaria também pelo Araxá-MG; jogaria também pelo Ubiratan, de Mato Grosso do Sul, em 2013 e 14.


Tiago - Ivinhema


Tiago - Ubiratan

O ciclo seria encerrado em 2015, no Grêmio Catanduvense.


Tiago - Catanduvense

Atualmente no amador da cidade, Tiago Tiziu fez o seu histórico no futebol, envergando bom número de jaquetas.

A propósito, ontem, 18 de dezembro de 2016, Tiago Tiziu participou da decisão do Amadorzão de Araraquara, sagrando-se vice-campeão em defesa do Hortências (resultado da decisão: Flamengo 2 x 1 Hortências).

Graças à colaboração do ex-atleta grená, “Ferroviária em Campo” pode, nesta matéria, mostrá-lo em fotos nas quais exibe as mais diferentes camisas que defendeu. Um belo roteiro percorrido, não resta dúvida.


Informações e fotos gentilmente cedidas por Tiago Tiziu.

Elaboração e edição de Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali