segunda-feira, 9 de novembro de 2015

GUERREIRAS DÃO TÍTULO INTERNACIONAL PARA ARARAQUARA

FERROVIÁRIA, CAMPEÃ DA LIBERTADORES FEMININA

2015 – Um ano de importantes títulos conseguidos pela Ferroviária: campeã da Série A2 do Campeonato Paulista (futebol masculino) e campeã da Libertadores (futebol feminino)

Parabéns Guerreiras, Leonardo Mendes, Douglas Onça e toda Comissão Técnica


Capitã Daiane levantando a taça

O futebol feminino da Ferroviária consolida-se como vencedor. Depois de se sagrarem campeãs paulistas em 2013, campeãs da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro em 2014, eis que as Guerreiras Grenás, superando muitas dificuldades, desenvolvem campanha magnífica e levantam a Taça Libertadores de Futebol Feminino, versão 2015, em sua sétima edição.

Uma Libertadores realizada fora do Brasil, para complicar ainda mais... No entanto, a representação de Araraquara encheu-se de determinação e foi com tudo para Medellín, na Colômbia.

Desenvolveu uma sequência brilhante de partidas. Goleou nas duas primeiras rodadas e empatou o terceiro jogo da primeira fase, garantindo a liderança do grupo e a passagem para as semifinais.

No jogo que praticamente selou a sorte da competição, as comandadas de Leonardo Mendes ganharam do forte São José, experiente tricampeão da Libertadores, na semifinal.

Em cinco jogos, quatro vitórias e um empate. Treze gols marcados e apenas um tento sofrido (na decisão).




Trajetória

A Ferroviária fez sua estreia no dia 29 de outubro e goleou o Espuce, do Equador, pela contagem de 5 a 0, gols de Adriane Nenê (3), Juliana e Daiane.

Na segunda apresentação, contra o Colón, do Uruguai, no dia 31 de outubro, nova demonstração de força: 4 a 0, gols de Daiane, Barrinha, Rafaela Mineira e Tábatha.

Dia 02 de novembro, no jogo final da primeira fase, na única vez em que não venceu, a Ferroviária ficou no 0 a 0 com o Urquiza, da Argentina. O empate bastou para a classificação das Guerreiras em primeiro lugar do seu grupo, pelo melhor saldo de gols.

A semifinal, em 05 de novembro, representou um dificílimo desafio para o time formado recentemente pelos afeanos. Detentora de um cartel marcado por inúmeras e importantes conquistas, a equipe do São José apresentava-se como um respeitável oponente.

Na primeira jogada da partida, Adriane Nenê finalizou com êxito e estabeleceu 1 a 0, placar que seria sustentado estoicamente pelas Guerreiras. As tricampeãs da Libertadores eram eliminadas pela equipe de Araraquara.


Leonardo Mendes - Técnico campeão


Ficha técnica da semifinal

São José 0 x 1 Ferroviária

Estádio Poliesportivo Sul – Envigado
Dia 05 de novembro de 2015, 13 horas
Gol: Adriane Nenê, 45 segundos do 1º tempo
Cartões amarelos: Nicoly e Júlia (Ferroviária)
Arbitragem: Yerlitz Escalena (VEN), auxiliada por Yoleida Lara (VEN), Carmem Detiesto (PER) e Melany Beimejo (PER)

Ferroviária – Amanda; Daiane, Mimi, Juliana e Barrinha; Nicoly, Júlia Bianchi (Luana), Paty (Nuti) e Rafaela; Tábatha (Cacau) e Adriane Nenê. Técnico: Léo Mendes

São José – Andreia Fernanda; Paula Pires, Daiane Menezes e Mariana Pires; Monique Pecinha, Djenifer, Valdirene Pepê e Michele Carioca (Francisleide); Carlinha Cássia e Rita (Ludmila). Técnica: Emily Lima


A decisão

Passando bem (2 a 0) pelo Urquiza, da Argentina, na outra semifinal, as defensoras do Colo Colo apresentavam-se como adversárias de grande respeito. Afinal de contas, as Guerreiras haviam ficado no empate de 0 a 0 contra a mesma equipe.

Mas a final da Libertadores Feminina de 2015 mostraria uma Ferroviária desenvolvendo um futebol objetivo e traduzido por números que atestam a sua supremacia durante o jogo: 3 a 1.

Um primoroso primeiro tempo garantiria o sucesso grená. Em duas jogadas parecidas, pela direita do ataque, Adriane Nenê serviu a Tábatha, que finalizou bem nas duas ocasiões, fazendo 2 a 0 para as Guerreiras.

O placar seria dilatado nos últimos minutos da primeira fase através de Barrinha, que em rápida jogada apareceu à frente da goleira, driblou-a e finalizou para as redes.
Já nos acréscimos da fase inicial, Gloria Villamayor diminuiu na cobrança de uma penalidade máxima.

Os 3 a 1 do primeiro tempo foram mantidos até o final do encontro pelas afeanas. Sem a colaboração da CBF, que não liberou atletas da Seleção para as equipes brasileiras, a Ferroviária passou por cima dos obstáculos e levantou um título de alto significado, o primeiro no âmbito internacional.


Tábatha comemorando seu primeiro gol na final

Ficha técnica da final

Ferroviária 3 x 1 Colo Colo (Chile)

Local: Estádio Atanásio Girardot, Medellín
Data: 8/11/15 | 15h
ARBITRAGEM:  Maria Luiza Fortunato (ARG) auxiliada por Daiana Milone (ARG-1ª assistente), Carmem Desturto (PER-2ª assistente) e Melane Bermejo (4ª árbitra)
Gols: Tábatha-AFE (20’ e 25’-1ºT), Barrinha-AFE (44’-1ºT) e  Glória Vilamayor-Colo Colo (47’-1ºT)
CARTÕES AMARELOS: Rafaela, Nicoly e Mimi (AFE)

FERROVIÁRIA: Amanda Carolina; Daiane Rodrigues, Mimi Souza, Juliana e Ana Barrinha; Nicoly, Júlia Bianchi (Luana), Paty (Nuti) e Rafaela; Tábatha (Cacau) e Adriane Nenê. Técnico: Leonardo Mendes.

COLO COLO: Christiane Endler; Rócio Soto, Camila Sáez, Carla Guerrero e Geraldine Leytonz (Yusmery Ascanio); Cláudia Soto, Ynara Aedo, Francisca Lara e Melissa Rodriguez (Yessenia Hunteo); Glória Villamayor e Fran Moroso (Paulina Lara). Técnico: Eduardo Miguel Lopes.




Quadro de campeões da Libertadores Feminina

2009 – Santos (Brasil)

2010 – Santos (Brasil)

2011 – São José (Brasil)

2012 – Colo Colo (Chile)

2013 – São José (Brasil)

2014 – São José (Brasil)

2015 – FERROVIÁRIA (Brasil)


Fontes:
Internet (Terra)
Celso Luiz Florian
Conmebol
Guerreirasgrenas.com.br
Fotos: Conmebol / Guerreiras Genás

Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Nenhum comentário:

Postar um comentário