terça-feira, 11 de novembro de 2014

CARLOS ALBERTO ALIMÁRI, O GOLEIRO

Carlos Alberto Alimári


Três tópicos consecutivos de Acontecências, capítulo que integra o livro Ferroviária em Campo – Breviário Grená, dizem respeito a um dos maiores goleiros que a Ferroviária já teve, Carlos Alberto Alimári. Primeiro, sobre uma sua invencibilidade de 576 minutos; depois, sobre a última vez que ele defendeu a meta afeana; e por último, a respeito de seus funerais e da comoção que o seu desaparecimento provocou.

O blog Ferroviária em Campo apresenta o inteiro teor dos três tópicos em referência.


Em 1971. Em pé: Celinho, Carlos Alberto, Fogueira, Muri, Ticão e Rossi. Agachados: Valdir, Zé Luis, Lance, Bazani e Nascimento. Foto: Walter Roberto Peres


87 – CARLOS ALBERTO, QUASE 600 MINUTOS SEM TOMAR GOLS

São Bento 1 x 0 Ferroviária, em 29 de setembro de 1971 – Esse jogo marcou a perda de invencibilidade da Ferroviária no Paulistinha e também o término da invulnerabilidade do guardião Carlos Alberto Alimári, após 576 minutos (seis jogos e mais 36’) sem tomar gols.


Em pé: Carlos Alberto Alimari, Baiano, Fogueira, Begluomini, Bebeto e Rossi. Agachados: Waldir, Leocádio, Almeida, Bazani e Nei.


88 – ÚLTIMO JOGO DE CARLOS ALBERTO

Aconteceu em 10 de outubro de 1971, em Ribeirão Preto, no jogo Botafogo 1 x 3 Ferroviária. Foi a última partida do goleiro Carlos Alberto, defendendo a meta afeana, pois no dia seguinte ele morreria afogado no rio Mogi Guaçu, provocando comoção na coletividade araraquarense e esportiva em geral.


Em pé: Carlos Alberto Alimari, Baiano, Fogueira, Begluomini, Bebeto e Rossi. Agachados: Waldir, Leocádio, Almeida, Bazani e Nei.


89 – A DESPEDIDA

Dia 13 de outubro de 1971, por volta de 23 horas e 15 minutos, foi encontrado o corpo de Carlos Alberto Alimári, no rio Mogi-Guaçu, através do trabalho realizado pelo Corpo de Bombeiros. No dia seguinte, à tarde, no Campo Grande, em São Paulo, foi feito o sepultamento. Centenas de pessoas compareceram, incluindo profissionais e amadores da Ferroviária, além de dirigentes, parentes e amigos. Ex-jogadores afeanos também marcaram presença, como Pio (que defendia o Palmeiras) e Fogueira (atuando pela Portuguesa). Fogueira chorou muito ao saber que o corpo do goleiro havia sido encontrado; além de ex-companheiro de time, e grande amigo, ele era padrinho de casamento de Carlos Alberto.

Galdino Machado e Carlos Alberto Alimári, em 1967


ONDE ENCONTRAR “FERROVIÁRIA EM CAMPO – BREVIÁRIO GRENÁ”:




 "FERROVIÁRIA EM CAMPO - BREVIÁRIO GRENÁ"

AUTOR: Vicente Henrique Baroffaldi
ISBN - 978-85-7113-555-00
PÁGINAS: 310
EDITORA: PONTES
VALOR: R$ 35,00 (Livro (30,00 ) + frete (5,00))

PEDIDOS (Para quem reside fora de Araraquara):

ferroviariaemcampo@gmail.com
vicente.baroffaldi@gmail.com
www.facebook.com/ferroviariaemcampo1
(Pagamento via depósito bancário)


LOCAIS À VENDA EM ARARAQUARA: (30,00)

BANCA CENTRAL; Av. Duque esquina com São Bento
VAMOS LER: Rua São Bento - entre Duque e Espanha


Fotos: Terceiro Tempo - Milton Neves (Que Fim Levou?)

Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Nenhum comentário:

Postar um comentário