segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O MELHOR ANO DO TRI DA FERROVIÁRIA



Um tricampeonato do Interior autêntico conseguiu a Ferroviária em 1967, 1968 e 1969, por se tratar de uma sequência ininterrupta. E isso se deu logo após a volta da Locomotiva à divisão principal do futebol de São Paulo, depois de ter sucumbido em 1965 e se reerguido no ano imediato, 1966.

AFE - Equipe Campeã de 1966 - Gazeta Esportiva

Em 1967, no primeiro título do Interior do triênio, a Ferrinha terminou o Paulistão em 6º lugar. Em 1969, na consolidação do tricampeonato, também em 6º lugar.

Equipe da AFE Recebendo as Faixas de Campeã de Jacqueline Myrna - Relíquias do futebol
Mas, no certame intermediário, em 1968, a AFE terminou na 3ª colocação, atrás apenas de Santos e Corinthians. Portanto, 1968 foi o melhor ano grená na conquista do Tri do Interior.

Em 1967, foram 9 vitórias, 6 empates e 11 derrotas; 26 gols pró e 28 contra.

Em 1969, foram 10 vitórias, 6 empates e 10 derrotas; 27 gols a favor e 35 contra.

Porém, em 1968, a Ferrinha obteve 11 vitórias, 8 empates e 7 derrotas. Marcou 42 gols e sofreu 31, tendo saldo positivo de 11. A campanha mais expressiva, sem dúvida.

Pela primeira vez na história do Campeonato Paulista, em 1968, um clube do Interior contou com o artilheiro maior da competição. E esse clube foi a Ferroviária, que teve em Téia o seu principal “matador”, com 20 gols.

Téia recebe cartão de Prata alusivo a conquista da atilharia do campeonato paulista de 1968 das mãos do narrador Wilson Luiz da Rádio Cultura de Araraquara (1968) -  (http://www.ferroviariadeararaquara.com.br)

Em 1967, a Ferroviária terminou em 6º lugar, com 24 pontos ganhos, seguida de perto pelo América, que, em 7º lugar, somou 23.

Em 1969, a AFE somou 26 pontos, em 6º lugar, ao tempo em que Guarani e América ficaram nos 23, em 7º.

Já em 1968, a Ferroviária ficou com 30 pontos ganhos, enquanto o São Bento chegou a 27, só que a agremiação grená terminou em 3º lugar, tendo o São Bento ficado em 6º. Uma folga maior para o segundo clube do Interior, naquela temporada.

Elenco da AFE 1969 - Museu da AFE


A FESTA PELO BI DO INTERIOR

No dia 28 de julho de 1968, um domingo, Araraquara engalanada no âmbito esportivo recebia, com muita alegria, o troféu instituído pela Folha de S. Paulo, pelo bicampeonato do Interior. De posse transitória, a AFE já havia recebido aludido troféu em 1967. Novamente em 1968, depois de uma brilhante presença no Campeonato Paulista, a agremiação de Araraquara bisava o feito do ano anterior.

Tratou-se de uma conquista muito importante porque o Troféu Folha de S. Paulo foi oficializado pela Federação Paulista de Futebol.

A solenidade de entrega do troféu aconteceu no Clube Náutico Araraquara. Além do ato, comemorou-se o feito afeano com uma churrascada e também se desenvolveu uma competição de motonáutica.

Entre os oradores, o Sr. Francisco Pestana, em nome da Folha de S. Paulo; Aldo Comito, presidente da Ferroviária; Mayr Staufackar e Ray de Paula e Silva, pelo Clube Náutico Araraquara; Arlindo Barea, da rádio Voz da Araraquarense; e Gil Passarelli, da Folha de S. Paulo.

Também estiveram presentes nas solenidades: Joaquim Palomino, Armando Paschoal e José Picarolo Filho, do Clube Náutico Araraquara; Augusto Cardillo, Oscar Unes, Antônio de Pádua Lopes e Otávio A. Volpi, da Ferroviária; Paulo A.C. Silva, do jornal O Imparcial; Dorival Marcondes Machado, Nildson Leite do Amaral, Ivan Roberto Peroni e Rubens Brunetti, da rádio Cultura.

Acervo Folha


POSSE DEFINITIVA

Sagrando-se tricampeã do Interior no Paulistão de 1969, a Ferroviária de Araraquara ficou definitivamente com o Troféu Folha de S. Paulo, numa façanha sempre rememorada e comemorada.

  

Fontes:

Arquivo pessoal e Acervo Folha


Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Nenhum comentário:

Postar um comentário