terça-feira, 15 de abril de 2014

UMA DAS VEZES EM QUE O SANTOS DE PELÉ FOI GOLEADO NA FONTE LUMINOSA



Pelé entre Bazani e Mariani, jogadores da Ferroviária (Foto: Museu do Futebol e Esporte de Araraquara)*O garoto, à direita, João Carlos Comittoé filho do saudoso Aldo Comito, um dos maiores presidentes que a Ferroviária teve.

A exemplo do que já acontecera no dia 1º de setembro de 1963, o Santos Futebol Clube voltou a perder de 4 a 1 para a Ferroviária, no estádio da Fonte Luminosa, no dia 07 de março de 1971. Em ambas as ocasiões, o peixe contou com a presença de Edson Arantes do Nascimento, o maior jogador de futebol de todos os tempos. Em 1963, o único tento dos praianos foi de autoria do rei, mas em 1971 ele foi substituído durante o jogo.
Apresentamos nesta matéria a ficha técnica e um breve comentário do jogo de 1971.


FERROVIÁRIA 4 x 1 SANTOS 

Data: 07 de março de 1971, domingo à tarde
Local: Estádio "Adhemar Pereira de Barros - Fonte Luminosa", em Araraquara.
Finalidade: Campeonato Paulista
Ferroviária: Carlos Alberto; Baiano, Fernando, Ticão e Zé Carlos; Muri (Bazzani) e Ademir; Tonho, Zé Luís (Nicanor), Lance e Nei.
Santos: Cejas; Orlando, Paulo, Oberdan e Rildo; Clodoaldo (Lima) e Léo; Rogério, Ferreti, Pelé (Douglas) e Edu.
Gols: Lance (18-1), Zé Luís (13-2), Bazzani (33-2), Nei (35-2) e Douglas (41-2)
Árbitro: José Favilli Neto.
Renda: Cr$ 56.668,00
Público: 12.704 pagantes e 4.730 menores


Como aconteceu em várias outras oportunidades, na Fonte Luminosa, a Ferroviária surpreendeu o Santos de Pelé no dia 07 de março de 1971.
Lance
Tida como autêntica zebra, a goleada dos afeanos pra cima dos praianos se desenhou desde o início do espetáculo. A defesa santista falhava muito, comprometendo o desempenho do goleiro Cejas, que se viu em apuros constantemente.

Agredindo bastante, não tardou para que a Ferroviária abrisse o marcador, aos 18 minutos de jogo, através de uma cabeçada de Lance.

O domínio grená aumentou no segundo período de jogo, embora o Santos reagisse em alguns lances isolados.
Zé Luís

Mas já aos 13 minutos a AFE elevava o placar para 2 a 0, quando Zé Luís aproveitou um belo lançamento do ágil ponteiro Nei.

Outros tentos viriam, primeiro com Bazzani, em chute desferido de fora da área, aos 32 minutos, e com Nei, o endiabrado ponteiro canhoto, em belíssima jogada, aos 34 minutos.

Somente no final da porfia, mais precisamente aos 41 minutos, Douglas, em jogada individual, diminuiu um pouco o dilatado escore, que ficou nos 4 a 1.

Por sinal, Douglas entrou durante a partida, em substituição a PELÉ, que vinha tendo atuação apagada, sem inspiração, coisa rara no rei do futebol. Se bem que, em Araraquara, Pelé teve, na carreira, um retrospecto negativo, perdendo bem mais do que ganhando.

Fontes de consulta:
- Acervo Folha;
- Revista Placar;
- Arquivo pessoal.
Fotos: Lance/Zé Luís: Que fim Levou (UOL)

Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Nenhum comentário:

Postar um comentário