quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

FOGUEIRA NA FERROVIÁRIA


(VITÓRIAS SOBRE O SANTOS DE PELÉ E GOLS ASSINALADOS)

Gazeta Esportiva Ilustrada


Wanderley Nonato (Fogueira)
Nascido a 11 de abril de 1942
Naturalidade: São José do Rio Preto (SP)
No início, passagem por  clubes amadores de São José do Rio Preto: Santa Cruz, ASAS e Fluminense
Como profissional: América-SP, Ferroviária, Corinthians, Portuguesa e Comercial de Ribeirão Preto


Um jogador rápido, esperto, com facilidade para chutar com ambas as pernas. Assim se revelou FOGUEIRA para o futebol.

O amigo de infância, Pica Pau, foi o responsável pelo apelido por chamá-lo frequentemente de Fogueira, à vista de seu cabelo ruivo, “cor de fogo”.

Depois de iniciar a prática do esporte nas equipes amadoras de São José do Rio Preto, Wanderley Nonato começou sua vida profissional no América.

Que Fim Levou? Uol

Ferroviária de Araraquara
Seu futebol no time rubro de Rio Preto despertou o interesse do Palmeiras, mas as negociações não deram certo, surgindo então a Ferroviária de Araraquara na vida de Fogueira, que a defenderia de 1963 a 1970, participando da conquista do tricampeonato do Interior (1967 a 1969).

A garra e a determinação em defender briosamente a camisa que vestia era uma característica marcante de Fogueira.

A primeira vitória maiúscula da Ferroviária, com o Fogueira na equipe, aconteceu no dia 1º de setembro de 1963, um domingo à tarde, na Fonte Luminosa. O Santos de Pelé foi batido inapelavelmente pelo altissonante escore de 4 tentos a 1. Eis a ficha técnica do jogo:

Ferroviária 4 x 1 Santos
     
Finalidade: Campeonato Paulista da Divisão Especial/Primeiro turno
Árbitro: Anacleto Pietrobon
Renda : Cr$ 2.278.800,00
Gols: Pelé abriu o placar para o “peixe”, aos 7’ de jogo; Lio, a 41’/1º empatou; Tales, logo no 1º minuto do 2º tempo virou para a Ferrinha; Peixinho, aos 37’ e aos 43’ ampliou, definindo a goleada grená.
Ferroviária – Toninho; Geraldo Scalera, Fogueira e Zé Maria; Dudu e Mário; Peixinho, Lio, Tales, Capitão e Ari. Técnico: Floreal Garro
Santos – Gilmar; Dalmo, Joel Camargo e Geraldino; Zito e Calvet; Dorval, Lima, Coutinho, Pelé e Pepe


Segunda vitória da Ferroviária (com Fogueira) contra o Santos de Pelé:

Foi no dia 11 de maio de 1969, um domingo à tarde, também na Fonte Luminosa.

Jogo – Ferroviária 2 x 1 Santos
Finalidade: Campeonato Paulista da Divisão Especial/2º turno
Árbitro: José Favilli Neto
Renda: NCr$ 30.387,00
Público: 7.820 pagantes
Gol do Santos: Pelé, aos 19’ do 1º tempo
Gols da Ferroviária: Pio, aos 2’ do 1º tempo, e Valdir, aos 45’ do 1º tempo
Ferroviária – Carlos Alberto Alimari; Baiano, Fernando (Belluomini), Rossi e Fogueira; Bebeto e Bazani; Valdir, Zé Luiz (Maritaca), Ismael e Pio. Técnico: Vail Mota
Santos – Cláudio; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias e Rildo; Clodoaldo e Joel; Manoel Maria (Patito), Toninho, Pelé (Abel) e Edu. Técnico: Antônio Fernandes (Antoninho)
 
O goleiro Carlos Alberto sai para tentar fazer a defesa, mas o xerifão Fogueira aparece no meio da área e tira o pão da boca de Pelé na vitória da Ferroviária por 2 a 1 sobre o Santos, em jogo realizado no domingo, dia 11 de maio de 1969, no estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara, pelo Campeonato Paulista da Divisão Especial. Na foto ainda aparecem o ponta-direita santista Manoel Maria e o zagueiro Fernando. Crédito: diarioweb.com.br- Arquivo pessoal de Wanderley Nonato, o Fogueira.

A última vez que Fogueira defendeu a camisa da AFE, contra o Santos de Pelé, ocorreu no dia 08 de julho de 1970, uma quarta-feira à noite, na Fonte Luminosa. Outra vitória da Ferrinha. Os detalhes da contenda:

Ferroviária 1 x 0 Santos
Finalidade: Campeonato Paulista da Divisão Especial/Primeiro turno
Árbitro: Dulcídio Wanderley Boschillia
Renda: Cr$ 46.813,00 (com mais 4.800 menores entrando de graça)
Gol: Cabinho, 7’ do 2º tempo
Ferroviária – Getúlio; Baiano, Fernando, Ticão e Fogueira; Bebeto e Bazani; Maritaca, Zé Luiz (Lance), Cabinho e Nei. Técnico: Vail Mota
Santos – Joel; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias e Turcão; Léo e Lima; Manoel Maria, Douglas (Abel), Pelé e Edu. Técnico: Antônio Fernandes


Gols de Fogueira com o manto grená

Ferroviária SA
Fogueira era lateral (direito ou esquerdo). Chegou também a atuar na zaga. Não era um ala com funções mais agressivas; tinha de guarnecer muito mais a defesa do que avançar, como hoje fazem os jogadores que atuam pelas margens do gramado. Então, as ocasiões para fulminar a meta adversária eram poucas.


Mas o arquivo de jogos realizados por Fogueira em defesa da Ferroviária registra alguns momentos em que o lateral avançou e concluiu com êxito a jogada, traduzindo em gol o seu esforço. 

Vamos a eles:

Jogo de decisão: Ferroviária 7 x 2 Náutico (PE)
Data: 26 de fevereiro de 1967, domingo à tarde
Local: Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade: Torneio Quadrangular de Ribeirão Preto (SP)
Árbitro: Dilson Barroso Moreira
Renda: NCr$ 3.237,00
Gols da Ferroviária: Valdir (3), Téia (2), Fogueira e Bazani
Gols do Náutico: Nino (2)
Ferroviária – Dado (Heitor); Belluomini, Fernando e Fogueira; Bebeto e Rossi; Valdir, Maritaca (Raul) (Dejair), Téia, Bazani e Cacalo (Passarinho). Técnico: Agenor Gomes (Manga)
Náutico (tetracampeão pernambucano) – Carlos Viana (Navarro); Ivan (Fernando), Mauro, Fraga e Clóvis; Zé Carlos e Rafael (Benedito); Miruca (Jaílson), Bita, Nino e Lala (Marques)
Observação – A Ferroviária sagrou-se campeã do Quadrangular de Ribeirão Preto, que contou com a participação dos clubes daquela cidade, Botafogo e Comercial. Somente no dia 09 de julho de 1967, o presidente Aldo Comito recebeu, do presidente do Comercial, o troféu de campeão.

Da esquerda para a direita: Bazani, Vail Mota, Fogueira, Baiano e Buião. (Que Fim Levou? UOL)

Contra a Francana, outro gol de Fogueira:

Jogo – Ferroviária 2 x 1 Francana
Data: 12 de novembro de 1969, quarta-feira à noite
Local; Fonte Luminosa, em Araraquara 9SP)
Finalidade: Amistoso estadual
Árbitro: Milton Jorge (FPF)
Renda: NCr$ 500,00
Gol da Francana: Carlos César, 8’ do 1º tempo
Gols da Ferroviária: Fogueira, 32’ do 1º tempo e Muri, 14’ do 2º
Ferroviária – Carlos Alberto Alimari; Baiano, Ticão, Rossi e Fogueira; Muri e Bazani; Valdir, Zé Luiz (Ruy Júlio), Nascimento (Zélio) e Nei (Amaral). Técnico: Vail Mota
Francana – Manzato; Vavá, Valdomiro, Cubatão e Zezinho (Edson); Elias e Geraldo; gilei, Zé Marcos, Paulo Leão e Carlos César (Silva)

 
Que Fim Levou? Uol

Gol de Fogueira contra o Guarani, em Campinas, em um de seus últimos compromissos pela Ferroviária, no finalzinho da partida:

Jogo: Guarani 1 x 1 Ferroviária
Data: 13 de dezembro de 1970, domingo à tarde
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/Torneio de Classificação?Paulistinha de 1971/2º turno
Árbitro: Dulcídio Wanderley Boschillia
Renda: Cr$ 13.866,00
Gol do Guarani: Dante, 17’/1º tempo
Gol da Ferroviária: Fogueira, 39’/2º tempo
Guarani – Tobias; Wilson, Cidinho, Tininho e Alberto (Jorge); Milton e Dante; Carlinhos, Patito, Ladeira (Vanderlei) e Bezerra
Ferroviária – Getúlio; Baiano, Fernando, Ticão e Fogueira; Ademir e Bazani; Buião, Nicanor, Tales (Lance) e Nei


Fontes:
- Arquivo do Professor Antônio Jorge Moreira;
- Tardes de Pacaembu, site;
- Acervo pessoal.

Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Nenhum comentário:

Postar um comentário