segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

“DANÇA DE RATO”

(Danças de rato: são situações onde você fica em dúvida se quer ou não... se fica ou não fica... se vai ou não vai... concluindo, são situações de indecisões.)

 
O lateral-direito Mário estava nos planos da Ferroviária para 2014. Veio o Atlético Paranaense – parceiro afeano! – e o levou. Claro... por meio da Pirassununguense, detentora dos direitos do atleta. Ainda bem que é parceiro...
Mário - Ferroviária SA
 
O treinador Wagner Lopes foi contratado, assumiu e se pôs a trabalhar para estruturar o futebol da Ferrinha visando a colocá-la nos trilhos. Veio o Botafogo de Ribeirão Preto e o seduziu com mais dinheiro.
Wagner Lopes - SimNews
 
Quem será o próximo? Ou quais serão os próximos?
Ainda temos um bom número de dias para o início da série A2. Até lá, sugerimos aos torcedores grenás que simplesmente ignorem a “dança de rato” que se estabeleceu nesse nosso depauperado futebol.
Esperem o dia da estreia contra o Capivariano, na Arena da Fonte, e aí sim – somente então – contem com o time da Ferrinha que entrar em campo. Avaliem o time de 1 a 11, observem o banco de reservas para saber dos sete suplentes, e atentem para a figura do treinador que estará à beira do gramado.
Aí sim, você, torcedor, saberá como será o time da Ferroviária... para a estreia no Campeonato Paulista.
 Para o segundo jogo, faça o mesmo, pois não é nada difícil que aconteçam novas surpresas.
E aja assim, sucessivamente, até o derradeiro compromisso, de número 19. Confronte a escalação e o técnico do jogo número um com o time e o treinador do jogo número 19. Na certa você irá deparar-se com um mundo de modificações.
Estabilidade é algo que foi para o espaço. Trata-se de artigo do passado. A cada momento o torcedor é surpreendido com novos lances, geralmente em  detrimento de suas cores. 

COMPARANDO COM O PASSADO
O Campeonato Paulista de 1959 começou no dia 24 de maio  e terminou em 30 de dezembro. Portanto, durou mais de sete meses. O Paulistão tinha um valor extraordinário. Durava a maior parte do ano e representava enorme atração no cenário bandeirante.
Ferroviária 1959 - Ferroviária SA
A Ferroviária fez a sua estreia em 24.05.59, jogando na Fonte contra o Juventus e estabelecendo 3 a 0, gols de Amaral, Baiano e Beni.
Eis o time grená que estreou:
ROSAN, ISMAEL E ANTONINHO; DIRCEU, RODRIGUES E OSNI; AMARAL, CARDOSO, BAIANO, NEI E BENI.
No final do ano, no jogo de nº 38 da AFE, contra o Noroeste, em Bauru (0 a 0), o time foi este:
ROSAN, ISMAEL E ANTONINHO; DIRCEU, RODRIGUES E CARDARELLI; AMARAL, DUDU, CARDOSO, BAIANO E BAZANI.
Quase o mesmo da estreia.
Para realizar uma campanha sensacional, culminando com a obtenção do terceiro lugar no Paulistão, a Ferroviária contou com apenas 19 jogadores, durante mais de sete meses. O técnico José Agnelli foi absoluto, dirigindo o time nos 38 jogos.
Rosan - Ferroviária 4 x 2 Portuguesa ( Paulistão de 1959) - A. Pessoal F. Rosan
 
Eis os craques da AFE em 1959, com o total de jogos de cada um, no Campeonato Paulista:
ROSAN, 37 jogos
ANTONINHO, 37
RODRIGUES, 37
BENI, 36
BAZANI, 35
CARDARELLI, 31
DIRCEU, 29
CARDOSO, 28
AMARAL, 26
NEI, 26
BAIANO, 24
DUDU, 21
PORUNGA, 20
ISMAEL, 16
OSNI, 10
ELCIAS, 2
FIA, 1
CAPELOZA, 1
FAUSTINO, 1 

Vivemos outros tempos. A realidade é outra e jamais retornaremos ao outrora futebol da fidelidade e do amor à camisa. Mas fica demonstrado aqui o porquê de os mais antigos não aceitarem o contexto atual. 

Fonte:
Acervo pessoal
Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

Nenhum comentário:

Postar um comentário