segunda-feira, 16 de setembro de 2013

FUTEBOL DO PASSADO

UM JOGO DE 12 MINUTOS


Aconteceu no estádio da Fonte Luminosa, no distante ano de 1977, pelo Campeonato Paulista da divisão principal, primeiro turno.
Num domingo (17 de abril) de muita chuva, um violentíssimo temporal sacudiu a cidade. Ferroviária e Paulista de Jundiaí entraram em campo e o apito de Alfredo Gomes sinalizou o início da refrega.
Com dois minutos apenas, Wilson Carrasco inaugurou o placar, aproveitando um eficiente cruzamento da esquerda, feito por Ferreira.
Os 1.308 pagantes vibraram com o início arrasador da esquadra grená, que prenunciava um resultado positivo.

Um dos lances do jogo de apenas 12 minutos, entre Ferroviária e Paulista de Jundiaí, com o sempre aguerrido e dedicado atleta afeano Carlos em ação
 Acontece que o tremendo temporal se intensificou, a chuva alagou o gramado e o bom sistema de drenagem da Fonte não conseguiu estancar o aguaceiro que se acumulou.
O árbitro interrompeu o jogo, do que se aproveitou a equipe de Jundiaí para descer rapidamente aos vestiários e trocar de roupa.

Em meio ao violento temporal, os jogadores vão deixando o gramado
Alfredo Gomes acabou decidindo pelo encerramento do encontro, alegando a preservação da integridade física dos jogadores.
Os dirigentes da Ferroviária (sob a presidência de Augusto Cardillo), ficaram revoltados, pois haviam acionado um autêntico “exército” para promover, manualmente, o escoamento da água, utilizando-se de grandes rodos. Mas os esforços dos grenás, que saíram na frente do marcador e tinham o maior interesse em que o jogo prosseguisse, foram fraudados. Até o consagrado técnico Aymoré Moreira, então dirigindo a Locomotiva, mostrou sua indignação pela suspensão do prélio.
A Federação Paulista de Futebol, através de seu órgão julgador, anulou os 12 minutos de jogo do dia 17 de abril de 1977,  e a entidade marcou a realização de uma nova partida entre Ferroviária e Paulista para o dia 11 de maio de 1977.
Curiosamente, na nova data, o mesmo marcador acabou sendo registrado, com a Ferrinha ganhando pela contagem mínima, tento assinalado por Gilson, no primeiro tempo. Nesse jogo que valeu, a AFE atuou com: Sérgio Bergantin; Paulão, Mauro, Sérgio Miranda e Carlos; Samuel e Wilson Carrasco; Tinteiro, Tatinho (Marquinhos), Ferreira (Maurício) e Gilson. Os portões foram abertos ao público. 

Ficha técnica do jogo de 12 minutos
Jogo – Ferroviária 1 x 0 Paulista de Jundiaí
Data – 17 de abril de 1977, domingo à tarde
Local – Estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade – Campeonato Paulista/Primeiro Turno
Árbitro – Alfredo Gomes
Renda – Cr$ 24.480,00
Público – 1.308 pagantes
Gol – Wilson Carrasco, 2’ do 1º tempo
Equipes:
Ferroviária – Sérgio Bergantin; Paulão, Mauro, Sérgio Miranda e Carlos; Samuel e Wilson Carrasco; Tinteiro, Maurício, Ferreira e Marquinhos. Técnico: Aymoré Moreira
Paulista – Edson; Cícero, Marco, Djalma Santos e Fernandinho; Vicente e Bosco; Lula, Mosca, Sousa e Daércio. Técnico: Roberto Belangero 

Fontes:
- Jornal O DIÁRIO (Araraquara), edição de 19 de abril de 1977, uma terça-feira. O editor de esportes do matutino era o renomado radialista, narrador esportivo e jornalista José Roberto Fernandes;
Nossos agradecimentos ao CARLOS ROBERTO MARQUES (PEZINHO) pela cessão, por empréstimo, de recortes do jornal O DIÁRIO, que deram consistência a esta matéria. PEZINHO, que foi excelente árbitro de futebol e árbitro internacional de futsal, foi vereador junto à Câmara Municipal de Araraquara (1997 a 2000), e hoje preside a regional da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, com a competência de sempre.
- Acervo Folha; e
- Arquivo pessoal.
- Fotos: O DIÁRIO
- Texto e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

Nenhum comentário:

Postar um comentário