sábado, 31 de agosto de 2013

O TIMÃO NO ITAQUERÃO


O Corinthians está completando neste domingo, 1º de setembro, 103 anos de existência. O clube centenário de Parque São Jorge vive fase vitoriosa dentro e fora de campo.
Dentro, com títulos nunca antes conquistados, como Libertadores, Mundial no Japão (no Brasil ele já tinha) e Recopa Sul-Americana. Além da casa dos sonhos que será inaugurada no início de 2014, sendo utilizada pelo Timão algumas  vezes antes que lá se realize a abertura da Copa do Mundo.
Fora, pela força política que o alvinegro vem tendo, força essa que o auxiliou, em muito, a ter o seu estádio próprio.
 
Então, em meio à felicidade geral da nação mosqueteira, lança-se a questão:
O CORINTHIANS DO ITAQUERÃO SERÁ MAIS FORTE QUE O CORINTHIANS DO PACAEMBU?
Porque o próprio da Municipalidade paulistana tem uma localização privilegiada, em região central da cidade.
Porque o Pacaembu, situado num vale, é um estádio aconchegante e permite aos fieis uma pressão estupenda contra os adversários do alvinegro.
Porque o retrospecto corintiano no Pacaembu é altamente favorável, muito difícil de ser batido.


Vejamos, tomando como referência os dois últimos anos, 2012 e 2013.
No ano passado, o estádio Paulo Machado de Carvalho foi palco de 39 partidas do Corinthians, resultando em 26 vitórias, 9 empates e apenas 4 derrotas do mandante. Foram assinalados 66 gols pelo Timão, 27 pelos adversários e um saldo expressivo de 39.
Em 2013, em 25 apresentações até aqui, o Corinthians tem 16 vitórias, 7 empates e tão somente duas derrotas, com 44 gols a favor e 13 contra, saldo de 31. Não estamos computando o jogo Corinthians x Flamengo, deste domingo, que acontece no Pacaembu.

 
Somando-se os jogos do Timão no Pacaembu, nos dois últimos anos, temos este resumo:
Jogos – 64
Vitórias – 42 (65,63%)
Empates – 16 (25%)
Derrotas – 6 (9,37%)
Gols a favor – 110 (1,72 por jogo)
Gols contra – 40 (0,63 por jogo)
Saldo de gols – 70 (1.09 por jogo)
De 192 pontos em disputa, o Corinthians ganhou 142, o que representa um aproveitamento de 73,96%.
Pela expressividade dos números corinthianos quando o time joga no Pacaembu é que lançamos a pergunta: O Corinthians será, no Itaquerão, tão forte quanto vem sendo no Pacaembu? Muitos acham que não.
Outra questão que se impõe, no campo da segurança: atendendo a padrões modernos, o Itaquerão não terá fosso nem alambrado separando a torcida do gramado. Dado o alto grau de civilidade do povo deste país, já estamos desde já imaginando a dimensão da responsabilidade que pesará sobre os policiais que cuidarão da manutenção da ordem naquele estádio. Imaginem um Corinthians x Palmeiras, um Corinthians x São Paulo, um Corinthians x Santos.  Coitados!

 
Será que teremos clássicos com apenas uma torcida, a do mandante?
Seja como for, a inclusão de um novo estádio no âmbito paulista, padrão FIFA e elogiado como o mais belo de quantos ora são erguidos neste país, palpita os meios futebolísticos e gera debates acalorados porque se sabe que temos duas correntes fortíssimas em nosso território futebolístico: dos corinthianos e dos anti-corinthianos.
Mas estamos vivenciando a passagem de mais um aniversário do Coringão, e pela sua grandeza e poder, cabe aqui lançar um brado: Parabéns, Corinthians!
Pois sem o Sport Club Corinthians Paulista a rivalidade não seria tão acirrada... e certamente o futebol perderia muito de sua graça e de sua razão de ser. 

Fontes:
- Federação Paulista de Futebol
- Acervo pessoal
Fotos: Divulgação (Internet)
Texto e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

A HISTÓRIA DE FERROVIÁRIA X INTERNACIONAL DE LIMEIRA

Como todo bom clássico, Ferroviária x Internacional de Limeira mostra um equilíbrio acentuado ao longo do tempo. Não foram tantos jogos, mas os 40 realizados entre grenás e alvinegros realçaram sempre um futebol vistoso e atraente. A Ferroviária viveu grandes fases e se firmou como uma força do Interior. A Inter teve o seu pico de consagração, chegando ao título de campeã paulista em decisão memorável contra o Palmeiras. Hoje, essas agremiações passam por um declínio e tentam de modo elogiável, pela persistência, reencontrar o caminho do sucesso.
Dos 40 encontros da Locomotiva com o Leão limeirense, 13 tiveram cores avinhadas, 15 realçaram o preto-branco e 12 terminaram em igualdade. A demonstrar a equivalência de forças ao longo da história, AFE e Inter assinalaram o mesmo número de gols: 51.
A provar que nos tempos idos o futebol era mais franco e ofensivo, os artilheiros afeanos estão lá no começo desse confronto: com quatro tentos cada, Boquita e Paulinho permanecem na ponta da artilharia. 




Nº de ordem – Data – Jogo – Competição – Goleadores da AFE
1 – 18.12.1954 – AFE 3 x 0 Inter – Amistoso – Boquita (2) e Paulinho
2 – 12.06.1955 – Inter 1 x 4 AFE – Amistoso – Bazani, Otávio, Jarbas e Paulinho
3 – 19.06.1955 – AFE 5 x 2 Inter – Amistoso – Paulinho (2), Boquita, Jarbas e Bazani
4 – 30.10.1955 – AFE 3 x 1 Inter – Campeonato Paulista/2ª Divisão – Pixo, Boquita e Cardoso
5 – 04.2.195 – Inter 1 x 3 AFE – Campeonato Paulista/2 Divisão – Cardoso (2) e Gomes
6 – 23.10.1960 – Inter 4 x 1 AFE – Amistoso – (?)
7 – 23.05.1976 – Inter 1 x 1 AFE – Amistoso – (?)
8 – 22.07.1979 – Inter 1 x 2 AFE – Campeonato Paulista – Galdino (2)
9 – 13.10.1979 – AFE 1 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Nandes
10 – 12.03.1980 – AFE 1 x 2 Inter – Taça de  Prata – Bispo
11 – 01.06.1980 – AFE 1 x 4 Inter – Campeonato Paulista – Washington
12 – 28.09.1980 – Inter 0 x 0 AFE – Campeonato Paulista
13 – 10.05.1981 – Inter 1 x 0 AFE – Campeonato Paulista
14 – 19.08.1981 – AFE 2 x 0 Inter – Campeonato Paulista – Fantato e Douglas Onça
15 – 06.05.1982 – Inter 0 x 1 AFE – Amistoso – Marinho Rã
16 – 06.06.1982 – AFE 1 x 2 Inter – Amistoso – Zilinho (pênalti)
17 – 19.09.1982 – Inter 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Zé Roberto
18 – 07.11.1982 – AFE 2 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Zé Rubens e Marcão (pênalti)
19 – 05.06.1983 – Inter 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Vica
20 – 01.11.1983 – AFE 3 x 0 Inter – Campeonato Paulista – Beto Lima (contra), Cuca (pênalti) e Toninho
21 – 10.06.1984 – Inter 1 x 0 AFE – Amistoso
22 – 17.06.1984 – AFE 1 x 2 Inter – Amistoso – Sídnei
23 – 08.07.1984 – AFE 1 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Marquinhos (pênalti)
24 – 24.10.1984 – Inter 1 x 0 AFE – Campeonato Paulista
25 – 21.04.1985 – Inter 0 x 1 AFE – Amistoso – Nenê (gol olímpico)
26 – 24.04.1985 – AFE 0 x 1 Inter – Amistoso
27 – 19.05.1985 – Inter 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Marco Antônio
28 – 27.10.1985 – AFE 1 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Marcão
29 – 05.03.1986 – AFE 1 x 2 Inter – Campeonato Paulista – Mauro Pastor
O vitorioso e histórico time do Inter de Limeira de 1986
30 – 19.06.1986 – Inter 2 x 0 AFE – Campeonato Paulista
31 – 17.05.1987 – Inter 1 x 0 AFE – Campeonato Paulista
32 – 19.07.1987 – AFE 1 x 0 Inter – Campeonato Paulista – Américo
33 – 23.03.1988 – Inter 3 x 0 AFE – Campeonato Paulista
34 – 17.05.1989 – Inter 1 x 0 AFE – Campeonato Paulista
35 – 11.03.1990 – AFE 1 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Vonei
Vonei
36 – 07.03.1993 – Inter 2 x 2 AFE – Campeonato Paulista – Edelvan e Manó
37 – 28.04.1993 – AFE 2 x 1 Inter – Campeonato Paulista – Edelvan (pênalti) e Romildo
38 - ...........1997 – Inter 4 x 1 AFE – Amistoso – Marco Antônio
39 – 19.03.2008 – Inter 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista/A2 – Vagner
40 – 27.07.2013 – AFE 1 x 1 Inter – Copa Paulista – Luís Guilherme

 Resumo de AFE x Inter de Limeira 
Competição
J
V
E
D
GP
GC
SG
Taça de Prata
1
0
0
1
1
2
-1
C.P. – A1
23
6
9
8
23
27
-4
C.P. – A2
3
2
1
0
7
3
4
Copa Paulista
1
0
1
0
1
1
0
Amistosos
12
5
1
6
19
18
1
TOTAL
40
13
12
15
51
51
0


Fichas técnicas de alguns jogos entre Ferroviária e Inter de Limeira 

O primeiro de todos, que marcou a aparição inaugural de BAZANI com a jaqueta grená, substituindo a Boquita no transcorrer da partida:
Bazani
Jogo – Ferroviária 3 x 0 Internacional
Data – 18 de dezembro de 1954, sábado
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade – Amistoso
Árbitro – Bento dos Santos (Liga Araraquarense de Futebol)
Renda – Cr$ 2.600,00
Gols – Boquita (2) e Paulinho
Ferroviária – Fia; Elcias e Ferraciolli; Dirceu (Antoninho), Antoninho (Dirceu) e Edson (Julião I); Paulinho, Lambari (Rodrigues), Cardoso (Lambari), Omar (Tarciso) e Boquita (Bazani). Técnico: Armando Renganeschi
Internacional – Cola; Titão e Roberto; Nino, Jongo e Dinho; Hugo, Eurico, Dirceu, Tijolinho e Sabu
Nota – Além de Bazani, outro gigante da história da AFE fez sua estreia nesta partida: Rodrigues. 

No primeiro embate pelo Campeonato Paulista, triunfo grená em Limeira:
Jogo – Internacional 1 x 2 Ferroviária
Data – 22 de julho de 1979, domingo
Local – Limeira (SP)
Finalidade – Campeonato Paulista da divisão principal
Árbitro – Pedro Inácio Filho
Renda – Cr$ 344.910,00
Público – 7.652
Gols da AFE – Galdino, aos 15’ e aos 20’ do segundo tempo
Gol da Inter – Jair, 30’ do primeiro tempo
Internacional – Wilson, Jair, Miguel, Beto Lima, Donizetti, Isidoro, Tornado, Elói, Camargo, Escurinho (Netinho) e Marcos (Mazinho)
Ferroviária – Tião. Carlos, Sérgio Miranda, Samuel e Luís Florêncio (Zé Rubens); Nandes, Paulo César e Toninho (Bispo); Washington, Parraga e Galdino.  

Pela Taça de Prata, a Inter levou a melhor em plena Fonte:
AFE 1980
Jogo – Ferroviária 1 x 2 Internacional
Data – 12 de março de 1980, quarta-feira (noite)
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade – Taça de Prata
Árbitro – Orêncio Caputo
Público – 2.844 pessoas
Gol da AFE – Bispo, aos 43’ do primeiro tempo
Gols da Inter – Toinzinho, 36’/1º e Isidoro, 1’/2º
Expulsão – Élvio (Inter)
Ferroviária – Tião; Carlos, Sérgio Miranda, Samuel e Luís Florêncio; Nandes, Douglas Onça e Zé Roberto (João Carlos); Bispo, Paulo Borges e Galdino (Toninho)
Internacional – Marcos; Suemar, Jorge (Tornado), Vininho e Isidoro; Beto Lima, Elói e Élvio; Camargo, Toinzinho e Marquinhos 

Uma vitória com Dudu como técnico e Sérgio Clérice como adversário:
Jogo – Ferroviária 2 x 0 Internacional
Data – 19 de agosto de 1981, quarta-feira (noite)
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade – Campeonato Paulista
Árbitro – Márcio Campos Sales
Renda – Cr$ 397.750,00
Público – 2.773 pagantes e 27 menores
Gols – Fantato, 4’ e Douglas Onça, 44’ do primeiro tempo
Ferroviária – Luís Fernando; Gérson, Vica, Samuel e Divino; Zé Carlos, Douglas Onça e Zé Roberto (Stélio); Sílvio (Toninho), Fantato e Bispo. Técnico: Olegário Toloi de Oliveira (Dudu)
InternacionalSerginho; Nonoca, Beto Lima, Bolivar e Donizetti; Vandinho, Salomão (Ronaldo) e Paulo César (Valdir Lima); Simões, Marcão e Odilon. Técnico: Sérgio Clérice 

Marco Antônio fazendo gol e Caíco sendo expulso:
Jogo – Internacional 1 x 1 Ferroviária
Data – 19 de maio de 1985, domingo à tarde
Local – Estádio Major José Levy Sobrinho, em Limeira (SP)
Finalidade – Campeonato Paulista/1º turno
Árbitro – José Carlos Gomes do Nascimento
Renda – Cr$ 7.602.000,00
Público – 1.602 pagantes
Gol AFE – Marco Antônio, 29’ do segundo tempo
Gol Inter – Gilberto Costa, 27’ do segundo tempo
Expulsões – Caíco (AFE) e Lambari (Inter), aos 16’ do 2º tempo
Internacional – Marcos; Donizetti, Vilson, Bolivar e Pecos (João Luís); Luís Gustavo, Gilberto Costa e João Batista; Iton, Marinho Rã e Lambari. Técnico: Fescina
Ferroviária – Rodolfo; Caíco, Mauro Pastor, Marco Antônio e Nonoca; Paulo Martins, Sídnei e Wilson Carrasco; Serginho (Edmilson), Toninho e Nenê. Técnico: Bazani 

O último encontro pelo Paulistão:
Jogo – Ferroviária 2 x 1 Internacional
Data – 28 de abril de 1993, quarta-feira (noite)
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade – Campeonato Paulista/1ª Fase/2º turno
Árbitro – Osvaldo dos Santos Ramos
Renda – Cr$ 249.070.000,00
Público – 3.900 pagantes
Gols da AFE – Edelvan (pênalti), 19’ do 1º tempo; e Romildo, 23’ do 2º
Gol da Inter – Alexandre, 8’ do 1º tempo
Ferroviária – Ruy; Batista, Fonseca, Mauro e Luciano; Alcinei, João Batista e Romildo; Paulo Américo, Moisés e Edelvan. Técnico: Vail Mota
Internacional – Nando; Jomar, Cléber, Evandro e Pecos; Beto, Givanildo e Daniel Júnior; Marquinhos, Bahia e Alexandre. Técnico: Julinho 

Fontes:
- Tópicos do Passado da AFE, Prof. Antônio Jorge Moreira
- O Caminho da Bola, Rubens Ribeiro
- Revista Placar
- Arquivo pessoal
Fotos: Que Fim Levou? Milton Neves - Uol (1,2,4,7); Globoesporte .com (3); Ferroviáriasa (5); Acervo Museu da AFE (6)
Pesquisa, texto e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali