domingo, 31 de março de 2013

UFA, AFE !!!


Foi um sufoco danado. Teste sem igual para avaliar as condições gerais de resistência dos torcedores da Ferroviária. E no final a agremiação de Araraquara safou-se do pior, em condições dramáticas, pois teve a mesma campanha do Noroeste (outro clube de origem ferroviária): em 19 jogos, 5 vitórias, 4 empates e 10 derrotas. Ambos com aproveitamento de 33,3%, ou 1/3 dos pontos em jogo. O que livrou a AFE do rebaixamento foi o saldo de gols (-4), melhor que o do Norusca (-6).
Agora, espera-se uma reestruturação total da associação. Drásticas medidas terão de ser tomadas. Não se imagina outra coisa, após essa medíocre participação na Série A2 do Campeonato Paulista. Jorge Saran, com seu positivismo inabalável e seu jeito de paizão junto ao grupo, somados à sua já boa experiência no mundo do futebol, pode ser a solução, se for prestigiado e exercer, também, as funções de supervisor do sub-20, que ele acaba de deixar um pouco de lado para salvar a Ferrinha da degola.
Mas é inquestionável que a AFE tem de resolver seus problemas estruturais. Não se concebe um grupo de atletas sem um local de referência para os seus preparativos. É preciso, igualmente, priorizar e dar toda força às categorias de base. Esse é o caminho, cantado em prosa e verso por todos os que entendem de jogo de bola. Enfim, muito há que se fazer antes que a Ferroviária volte a entrar em campo.
Ficha técnica do último jogo da Ferroviária no Campeonato Paulista da Série A2, versão 2013:


Ferroviária 1 x 0 Santo André
Local: Arena da Fonte Luminosa, em Araraquara
Data/Horário: 31/03/2013, às 10 horas
Arbitragem: Mauricio Antonio Fioretti, auxiliado por Marco Antonio Motta Júnior e Luiz Quirino da Costa.
Público: 1.001 pagantes
Renda: R$ 12.000,00
Cartões amarelos: Renan, Fabinho e Nildo (Ferroviária) Rogério e Júnior Paulista (Santo André)
Gol: Jonatas Obina (6’ do 2º tempo)
Ferroviária: Everton, Mário, Neguete, Vinícius Golas e Léo Carvalho; Renan, Nildo, Jérson (Jonatas Obina); Romarinho (Fabinho), Wellington Amorim (Di Fábio) e Ney MineiroTécnico: Jorge Saran.
Santo André : Rodrigo Viana; Rodrigo, Júnior Paulista, Walter e George; Rogério, Elielton, Juninho (Alexandre) e Danilo (Willian); Bruno Paulo e Fábio SantosTécnico: Dedimar

NÚMEROS DA CAMPANHA DA AFE
Jogos – 19
Vitórias – 5
Empates – 4
Derrotas – 10
Gols a favor – 18
Gols contra – 22
Saldo de gols -  (-4)
Classificação – 16º lugar
Aproveitamento – 33,3% (um terço dos pontos)

 Artilheiros da Locomotiva:
1º - Jonatas Obina e Wellington Amorim, 4 tentos cada;
3º - Ney Mineiro, 3;
4º - Victor Dourado, Renan, Robson, Raul, Rogério, Nildo e Romarinho, 1 gol cada. 
Maior público na Arena Fonte Luminosa: dia 9 de fevereiro, Ferroviária 0 x 0 Portuguesa – 1.161 pagantes
Maior público fora de casa: dia 24 de março, São José 0 x 0 Ferroviária – 2.598 pagantes


GALERIA DE FOTOS DA PARTIDA





 












TEXTO: VICENTE HENRIQUE BAROFFALDI
Fotos / Edição: Paulo Luís Micali



OBINA, SARAN, FIORETTI... MUITO OBRIGADO!!!



OBINA, SARAN, FIORETTI... MUITO OBRIGADO!!!

E a Ferrinha se safou ao “apagar das luzes”, nos estertores do período de sofrimento.
No finalzinho do primeiro período, uma série de gols desperdiçados – três em uma única avançada – prenunciava o martírio de uma via crucis de 19 etapas, com final de crucificação. Um “corpo” tinto derreado, vencido, sucumbido, cheio de chagas e com apenas uma letra e um número na placa de sua identificação e destino: A3.
Até que, no intervalo, Jorge Saran sacou Jerson e fez entrar Obina. Fulminante, o vigoroso atacante entrou determinado e com ímpetos de salvador.
Arrojou-se à frente, tomando para si a responsabilidade decisória. Uma vez, quase. Outra vez, barbante. E a sofrida galera grená urrava o uivo do desabafo, o uivo contido na garganta por tempo brutalmente alongado, retesado, esticado, espichado.
As notícias do locutor da Arena promoviam bons presságios, traziam informes alvissareiros dos jogos cujos resultados interessavam diretamente à esquadra afeana.
Primeiro, os gols do Capivariano contra o Norusca. Mais para a frente, quase no finzinho do tempo regulamentar, o gol da lusa do Canindé exatamente contra o rival vizinho da AFE, da Cidade Sorriso, que se punha em lágrimas. E aí bastaria a Locomotiva sustentar o 1 a 0 sofrido, o 1 a 0 redentor, o 1 a 0 da ressurreição em pleno domingo de Páscoa.
Quando o complacente, benevolente, camarada senhor condutor da pugna ergueu os braços e piou pela vez derradeira, os estremunhados e emocionados torcedores da Associação Ferroviária de Esportes soltaram o grito, vibrando com inusitada sensação de alívio. Muito mais que a comemoração de um gol... a comemoração de uma permanência.
Uma permanência que abre espaço para que, com um apreciável prazo de nove meses – o tempo de uma gestação – a Ferroviária cuide de se estruturar para poder pensar alto, porque, bem pensada e bem aferida, a AFE terá três objetivos fundamentais pela frente:
1 – Alçar vôo até a Série A1;
2 – Permanecer na Série A1;
3 – Reeditar, na A1, feitos do passado... se não na plenitude, ao menos um tantinho... para fazer estremecer os corações que palpitam na paixão gostosa e emocionante de torcer pelas cores avinhadas da Morada do Sol.
E LA NAVE VA, de Federico Fellini, nos faz ver que a vida segue... Para nós, neste momento de apurada sensação de alívio, nos resta a expressão E LA “LOCO” VA...
Texto: Vicente Henrique Baroffaldi

 

sexta-feira, 29 de março de 2013

MÁRCIO RIBEIRO, O DESTAQUE


MÁRCIO RIBEIRO

Márcio Ribeiro ( América 2012) - globoesporte.com

Após o levantamento feito sobre o aproveitamento dos técnicos que, nos últimos anos, mais dirigiram a Ferroviária (Quem foi o melhor?, postado em 27.03.2013), retrocedemos um pouco mais no tempo, chegando ao ano de 2004, e constatamos que, o então responsável pela equipe grená, Márcio Ribeiro, teve um aproveitamento melhor que o alcançado pelos seus sucessores: Édison Só, João Martins, Felício Cunha, Paulo César Catanoce e Ito Roque.
Márcio Ribeiro dirigiu a Ferrinha no Campeonato Paulista da Série B1 (hoje, Segunda Divisão), em 2003, alçando-a para a Série A3. Em 2004, comandou os afeanos em apenas duas partidas, pelo certame da A3, desligando-se em seguida.
 
Números conseguidos por Márcio Ribeiro, no comando da Locomotiva:

Período – 14 de março de 2004 a 04 de fevereiro de 2005
Jogos – 30
Vitórias – 19
Empates – 4
Derrotas – 7
Gols a favor – 65
Gols contra – 23
Saldo de gols – 42
Aproveitamento – 67,77%

Lembrando que os aproveitamentos dos técnicos por nós anteriormente analisados foram:
Édison Só – 56,88%
Felício Cunha – 55,17%
João Martins – 53,74%
Ito Roque – 51,92%
Paulo César Catanoce – 43,33%

 
Toninho Moura

Toninho Moura (Arapongas 2011) - Foto: Sergio Rodrigo - Tribuna do Norte

Incluímos mais um técnico em nossa pesquisa: Toninho Moura, que comandou a Ferroviária na Copa FPF (atual Copa Paulista) de 2005 e no Campeonato Paulista de 2006 (quando a Ferrinha só não subiu para a Série A2 porque, no último jogo, contra o XV de Jaú, na Fonte Luminosa, foi surpreendida perdendo por 2 a 0).
Toninho Moura voltaria às hostes grenás, em março de 2009, substituindo o técnico Carlos Rabello, no Campeonato Paulista da A2, mas não se dando bem e perdendo o cargo após seis jogos.
A sua performance, no somatório dessas duas participações no comando técnico da Locomotiva, é mostrada agora.
 
Períodos – 24 de julho de 2005 a 21 de maio de 2006  e 7 de março a 28 de março de 2009
Jogos – 46
Vitórias – 20
Empates – 14
Derrotas – 12
Gols a favor – 66
Gols contra – 38
Saldo de gols – 28
Aproveitamento – 53,62%


Fonte:
Arquivo pessoal
 
Pesquisa e elaboração: Vicente Henrique Baroffaldi

quinta-feira, 28 de março de 2013

FERROVIÁRIA X SANTO ANDRÉ AO LONGO DOS ANOS




O Esporte Clube Santo André, de alcunha Ramalhão, foi fundado no dia 10 de janeiro de 1974. Teve como principal conquista a Copa do Brasil de 2004, feito que lhe garantiu participação na Copa Libertadores de 2005, onde foi desclassificado logo na fase de grupos, mas não sem antes estabelecer a maior goleada da competição, quando fez 6 a 0 no Deportivo Táchira, da Venezuela. Em 2010, o alviceleste empreendeu aquela que foi considerada a sua melhor campanha, sagrando-se vice-campeão paulista, ao disputar o título máximo com o Santos FC. Perdeu o primeiro jogo por 2 a 3, mas retribuiu o mesmo placar ao alvinegro das praias, que se tornou campeão por ter desenvolvido melhor campanha.
O Santo André manda seus jogos no estádio Bruno José Daniel, com capacidade para 7 mil pessoas.
É um adversário desse porte que a Associação Ferroviária de Esportes enfrenta no domingo, em sua casa (a Arena Fonte Luminosa), num momento crítico e decisivo de sua participação no Campeonato Paulista da Série A2, quando somente a vitória a deixará com chances de não ser rebaixada, dependendo ainda de percalços de Grêmio Barueri e São Carlos, ou de um desses dois e mais do Noroeste.
Até o momento, o confronto entre AFE e Ramalhão mostra um equilíbrio marcante. O que mais aconteceu nesse duelo foi empate: 13 vezes. A Ferrinha tem 11 vitórias e o Santo André, 10. Nos últimos seis encontros, foram seis vitórias do Santo André.
De 1982 a 1994, AFE e Santo André só jogaram pela Divisão Especial (Série A1) do Campeonato Paulista. A Ferrinha quase sempre ganhou. Foram sete vitórias contra apenas duas do oponente.
A partir de 1997, e até 2012, Locomotiva e Ramalhão enfrentaram-se pela A2, quando então só deu Santo André: 5 a 0 em matéria de vitórias.
Isso comprova o declínio histórico da Ferroviária com o correr do tempo.
No geral, a AFE tem uma vitória a mais, mas convém notar que isso se deve a uma vantagem conseguida graças a uma vitória em partida amistosa. Portanto, em jogos oficiais de competição, valendo por campeonatos ou torneios, consolida-se um empate de 10 vitórias para cada lado. Equilíbrio total, num confronto que até 1994 marcou a supremacia afeana, e que após isso evidenciou a superioridade do time azul e branco de Santo André. O Ramalhão mostrou maior eficiência no ataque, assinalando oito gols a mais que a Ferroviária.
Anotando quatro tentos em um mesmo jogo, no dia 6 de outubro de 1982, Zé Roberto é o artilheiro principal da AFE nos encontros com o Santo André.
 

 

 TODOS OS JOGOS

Nº de ordem – Data – Jogo – Competição – Artilheiros da Ferroviária
1 – 25.05. 75 – Santo André 0 x 0 AFE – Amistoso
2 – 20.03. 82 – AFE 1 x 0 Santo André – Torneio Seletivo – Marco Antônio
3 – 13.04. 82 – Santo André 3 x 1 AFE – Torneio Seletivo – Dodô (contra)
4 – 28.07.82 – Santo André 1 x 0 AFE – Campeonato Paulista
5 – 06.10.82 – AFE 4 x 0 Santo André – Camp. Paulista – Zé Roberto (4)
6 – 29.06.83 – AFE 1 x 0 Santo André – Camp. Paulista – Mirandinha (pênalti)
7 – 06.11.83 – Santo André 1 x 1 AFE – Camp. Paulista – Marco Antônio
8 – 16.09.84 – AFE 1 x 1 Santo André – Camp. Paulista – Douglas Onça
9 – 07.11.84 – Santo André 2 x 2 AFE – Campeonato Paulista – Ronaldo e Miltinho
10 – 14.07.85 – AFE 1 x 0 Santo André – Camp. Paulista – Mauro Pastor
11 – 06.10.85 – Santo André 1 x 2 AFE – Campeonato Paulista – Élcio (contra) e Serginho Dourado
       - 16.02.86 – Santo André 0 x 0 AFE – Torneio-Início do Camp. Paulista
12 – 09.03.86 – Santo André 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Sídnei
13 – 27.07.86 – AFE 0 x 0 Santo André – Campeonato Paulista
14 – 25.03.87 – AFE 1 x 0 Santo André – Campeonato Paulista – Jones
15 – 26.07.87 – Santo André 5 x 0 AFE – Campeonato Paulista
16 – 29.05.88 – AFE 4 x 4 Santo André – Campeonato Paulista – Marcão, Donato e Betão (2)
17 – 19.02.89 – Santo André 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Donato
18 – 01.04.90 – Santo André 1 x 2 AFE – Campeonato Paulista – Vonei e Walace
19 – 14.03.93 – Santo André 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Moisés
20 – 09.05.93 – AFE 0 x 0 Santo André – Campeonato Paulista
21 – 20.02.94 – AFE 1 x 0 Santo André – Campeonato Paulista – Marquinhos Capixaba (falta)
22 – 24.04.94 – Santo André 1 x 1 AFE – Campeonato Paulista – Pedrinho
23 – 03.09.94 – AFE 1 x 0 Santo André – Amistoso – Luciano Oliveira
24 – 11.05.97 – AFE 3 x 3 Santo André – Campeonato Paulista/A2 – Antônio Carlos e Maicon (2)
25 – 15.06.97 – Santo André 3 x 0 AFE – Campeonato Paulista/A2
26 – 08.09.02 – Santo André 0 x 2 AFE – Campeonato Brasileiro/Série C – Marcos Alemão e Giba
27 – 15.09.02 – AFE 0 x 0 Santo André – Campeonato Brasileiro/Série C
28 – 17.11.02 – AFE 2 x 1 Santo André – Copa Mauro Ramos de Oliveira (atual Copa Paulista) – Rodrigo Dias e Giba
29 – 23.11.02 – Santo André 2 x 0 AFE – Copa Mauro Ramos de Oliveira (atual Copa Paulista)
30 – 09.07.03 – Santo André 5 x 1 AFE – Copa Estado de São Paulo (atual Copa Paulista) – Danilo
31 – 20.02.08 – Santo André 3 x 1 AFE – Campeonato Paulista/Série A2 – Laerte
32 – 19.04.08 – AFE 1 x 2 Santo André – Campeonato Paulista/Série A2 – Marcel
33 – 26.04.08 – Santo André 2 x 1 AFE – Campeonato Paulista/série A2 – Marcel
34 – 17.03.12 – Santo André 2 x 0 AFE – Campeonato Paulista/Série A2
 

Retrospecto
Ferroviária x Santo André
 


Competições................................................

J

V

E

D

GP

GC

SG

Campeonato Paulista – Série A1

19

7

10

2

24

20

4

Campeonato Paulista – Série A2

6

0

1

5

6

15

9

Campeonato Brasileiro – Série C

2

1

1

0

2

0

2

Copa Paulista

3

1

0

2

3

8

-5

Torneio Seletivo

2

1

0

1

2

3

-1

Amistosos

2

1

1

0

1

0

1

T O T A L

34

11

13

10

38

46

-8

 
Súmulas de alguns jogos

 O primeiro encontro:
Jogo: Santo André 0 x 0 Ferroviária
Data: 25 de maio de 1975, domingo (tarde)
Local: Santo André (SP)
Finalidade: Amistoso
Árbitro: Élvio de Almeida (Liga local)
Renda: Cr$ 7.000,00
Santo André: Ronaldo; Roberto, Rodolfo, Luís Augusto e Boró (Tanaka); Flávio e Tulica; Fernandinho, Celso, Vicente e Rômulo
AFE: Lula; Marinho, Mauro, Ticão (Sérgio Miranda) e Zé Carlos (Nelson); Helinho (Pedro Paulo) e Laerte (João Carlos); Vagner, Palhares, Reinaldo (Tite) e Antônio Carlos. Técnico: Vail Mota


 A maior goleada da Ferroviária:
Jogo: Ferroviária 4 x 0 Santo André
Data: 6 de outubro de 1982, quarta-feira (noite)
Local: Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/2º turno
Árbitro: José de Assis Aragão
Renda: Cr$ 522.500,00
Público: 1.689 pagantes
Gols: Zé Roberto (4), aos 15’, 38’ e 45’ do 1º tempo; e aos 4’ do 2º
AFE: Luís Fernando; Marinho Paranaense, Fernando, Pinheirense (Hermínio) e Divino; Wilson, Douglas Onça e Zé Roberto; Claudinho, Marcão e Bozó (Jorginho). Técnico: Diéde Lameiro
Santo André: Tonho; Agnaldo, João Carlos, Neto e Ricardo; Toninho Vieira, Arnaldo e Freitas (Vaguinho); Zezinho, Carlos Alberto e Rubens. Técnico: Jair Picerni

Uma vitória grená em campo neutro:
Jogo: Santo André 1 x 2 Ferroviária
Data: 6 de outubro de 1985, domingo (tarde)
Local: Estádio Municipal de Mauá (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/2º turno
Árbitro: Ivo José da Costa Júnior
Renda: Cr$ 13.490.000,00
Público: 1.349 pagantes e 152 menores
Expulsões: Márcio Fernandes (Santo André) e Paulo Martins (AFE)
Gol Santo André: Ataliba, 20’/2º
Gols AFE: Élcio (contra), 29’ e Serginho Dourado, 32’ do 2º
Santo André: Paulo; Bruno, Marcos, Neto e Gilberto; Élcio, Celso e Rotta; Ataliba, Jair Soares e Márcio Fernandes. Técnico: José Poy
AFE: Rodolfo; Balu, Mauro Pastor, Marco Antônio e Nonoca; Paulo Martins, Cardim (Serginho Dourado) e Wilson Carrasco; Botelho, Marcão e Nenê. Técnico: Bazzani

 


A maior goleada do Santo André:
Jogo: Santo André 5 x 0 Ferroviária
Data: 26 de julho de 1987, domingo (tarde)
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/2º turno
Árbitro: José Carlos Gomes Nascimento
Renda: Cz$ 131.490,00
Público: 1.998 pagantes e 407 menores
Gols: Dicão, 18’/1º; Dicão (pênalti), 4’, Jaiminho, 11’, Dicão, 15’ e Agnaldo, 18’ do 2º
Santo André: Tonho; Rinaldo, Luís Pereira (Marcos), Davi e Wladimir; Luiz Antônio, Humberto e Jaiminho (Rota); Agnaldo, Dicão e Mané
AFE: Washington; Nenê, Edmilson, Dama e Nonoca; Élvio, Rubens Feijão e Donato (Noronha); Américo, Toninho e Valdecir. Técnico: Sérgio Clérice

 Na Fonte, um empate com  oito gols:
Jogo: Ferroviária 4 x 4 Santo André
Data: 29 de maio de 1988, domingo (tarde)
Local: Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista
Árbitro: Ivo José da Costa
Renda: Cz$ 99.600,00
Público: 332 pagantes e 37 menores
Expulsão: Betão (AFE)
Gols AFE: Marcão, 5’, Donato, 8’ e Betão, 40’ e 45’ do 1º
Gols Santo André: Luís Pereira, 39’ do 1º; Gaúcho, 4’ (de pênalti) e 28’, e Valdir, 39’, do 2º
AFE: Pavão; Walace, Nenê Cardoso, Léo e Nonoca; Donato, Betão e Meínha; Toquinho, Marcão e Silvano (Wilsinho). Técnico: Sérgio Clérice
Santo André: Tonho; Ronaldo, Luís Pereira, Paulo (Adilson) e Claudinho; Gérson, Catanoce e Luís Antônio; Eduardo, Gaúcho e Valdir Dias. Técnico: Mauro
Nota: A AFE estabeleceu 4 a 1 no primeiro tempo e depois cedeu o empate.

Um triunfo afeano no Bruno José Daniel:
Jogo: Santo André 1 x 2 Ferroviária
Data: 1 de abril de 1990, domingo (tarde)
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/2º turno
Árbitro: Ilton José da Costa
Renda: Cr$ 124.300,00
Público: 1.095 pagantes e 101 menores e 16 mulheres
Gols AFE: Vonei, 23’/1º e Walace, 8’/2º
Gol Santo André: Preta, 40’/1º
Santo André: Tonho; Agnaldo, Luciano, Servílio e Donizeti; Luís Antônio, Preta e Rizza; Adilson, Ivan e Serginho (Betão)
AFE: Narciso; Walace, Olavo, Alexandre e China; Helinho, Donato (Hamilton) e Celinho; Vanderlei, Vonei (Paulinho Taiúva) e Adil. Técnico: Vail Mota

 Um empate com muitos gols:
Jogo: Ferroviária 3 x 3 Santo André
Data: 11 de maio de 1997, domingo (tarde)
Local: Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista/Série A2
Árbitro: Silas Santana
Renda: R$ 3.495,00
Público: 733 pagantes
Gols AFE: Antônio Carlos, 19’ e Maicon, 41’ do 1º; e Maicon, 42’ do 2º
Gols Santo André: Cilinho, 24’ do 1º; Dalton, 8’ e Alexandre, 47’ do 2º
AFE: Tuti; Ti, Lino, André e Toco; Emerson, Celso, Maicon e Tita (Wilson Carrasco); Fabinho (Lê) e Antônio Carlos (William). Técnico: Valdir Peres
Santo André: Maisena; Cipó (Calazans), Agnaldo, Serginho (Dalton) e Sérgio Baresi; Roberto Ramos, Bigu e Nenê (Alexandre); Ivan, Essinho e Cilinho. Técnico: Tata

 Pelo Brasileiro da Série C, uma vitória fora de casa:
Jogo: Santo André 0 x 2 Ferroviária
Data: 8 de setembro de 2002, domingo, 16 horas
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André (SP)
Finalidade: Campeonato Brasileiro, Série C
Árbitro: Sílvio Spínola Fagundes Filho
Gols: Marcos Alemão, 5’/1º e Giba, 26’/2º
Santo André: Adilson; Neno, Júnior Maranhão, Alex e Rogerinho; Bob, Marcelo Lopes (Wesley Brasília), Deni (Ivanzinho) e Jorginho; Negretti (Fábio Reis) e Isaías. Técnico: Tata
AFE: Luiz Henrique; Jairo (Lucas Polito), Otacílio, Marcel e Marquinhos; Rodrigo Bido, Luizão, Calazans (Anderson) e Rodney; Lei e Marcos Alemão (Giba). Técnico: Zé Humberto
 
O último encontro:
Jogo: Santo André 2 x 0 Ferroviária
Data: 17 de março de 2012, sábado, 15 horas
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André (SP)
Finalidade: Campeonato Paulista, Série A2
Árbitro: Luciano Monteiro dos Santos
Expulsão: Asprilla (Santo André), aos 22’/1º
Público e Renda: (Portões fechados)
Gols: Arthur, 2’/1º e Júnior Paulista, 10’/2º
Obs.: No lance anterior ao do segundo gol do Santo André, Fábio Santos foi derrubado na área; ele mesmo cobrou o pênalti e Everton espalmou para escanteio. Cobrado o tiro de canto, Júnior Paulista subiu livre e fez o gol.
Santo André: Luiz Gustavo; Rodrigo, Júnior Paulista, Asprilla e Artur (André Luiz); Batata, Fabrício (Renato Dias), Juninho e Djalma (Luís Paulo); Fábio Santos e Raul. Técnico: Ruy Scarpino (ex-jogador da AFE)
AFE: Everton; Lucas Silva (Welington Amorim), Rafael Dias, Daniel Melo (Robson) e Alex Cazumba; Júlio César, Wanderson, Felipe Blau e Tatuí (Daniel); Fabrício Carvalho e Jobinho. Técnico: Ito Roque

Fontes:
- Tópicos do Passado da AFE – Professor Antônio Jorge Moreira – Museu do Futebol e Esportes de Araraquara (Arena Fonte Luminosa)
- O Caminho da Bola – Rubens Ribeiro – Gráfica da Federação Paulista de Futebol
- RSSSF Brasil
- Placar
- O Imparcial (Araraquara)
- Wikipédia
- Arquivo pessoal

- Pesquisa e elaboração: Vicente Henrique Baroffaldi