sábado, 27 de maio de 2017

RODRIGO VIANA: A BOLA (NA BASE DA AFE) E O VERBO (NA MÍDIA NACIONAL)




Esportista, atleta, jornalista, escritor, empreendedor, ele tem repercussão nacional e grande legião de admiradores. Fala com o coração e sensibiliza a todos. Dispensa maiores apresentações.

Nome completo: Rodrigo Silva Viana (apelido quando jogava: Bigodinho)
     
Data de nascimento: 14/02/1975
   
Cidade natal: Ilha Solteira (Recebeu título de “Cidadão Araraquarense” em 12 de agosto de 2014, portanto, Araraquarense!)
   
Período na AFE: 1987 a 1992, com outra passagem em 1995
  
Posição: ponta-direita


Sr. Russo, Rogerio Gibim, Manga, Émerson (Zé Pretinho), Dedé, Cristiano, Juninho Guatapará, Wilson Cabecinha, Juninho, Amaury  e Tota Agachados: Ti, Di, Ricardo Dias, Marcelo, Juninho Taquaritinga, Bigodinho (Rodrigo Viana) Róbson Silva, Marcelinho.


“Ferroviária em Campo” abre espaço para RODRIGO VIANA:

"Comecei a jogar na Ferroviária aos 10, 12 anos de idade. Ali fui Pré-Mirim, Mirim, Infantil, Juvenil e Juniores.
    
Meu escritório é cercado de medalhas. E sempre de campeão. Os times comandados pelo Tota  (Pré-Mirim, Mirim, Infantil) ganhavam tudo. Tota era um obcecado pela vitória. Um compulsivo.
    
Recordo-me que em 1987 fomos até Campo Grande e fui campeão jogando pelo Mirim e pelo Infantil. Sendo que na categoria Mirim, fui o artilheiro da competição, junto com meu querido e saudoso amigo Ricardo Dias e também fui escolhido como melhor jogador do torneio.
   
Ganhei tantos outros jogos pela Ferroviária e guardo nos amigos da época, até hoje, meus melhores amigos.
   
Entre a bola e o verbo, a vida me encaminhou para o verbo (mas nunca me tirou da Bola). Jornalista Esportivo com passagens pela Globo, SBT, Band, Record, TV Brasil e tantas outras, fui ao Japão, aos Andes, corri o mundo atrás das histórias do futebol. Escrevi 5 livros (2 de autoria própria e 3 em coautoria). Um na biografia do Zico, amigo e ídolo.
   
Tive a honra de ser convidado a jogar no Pindorama, a Seleção Brasileira dos Escritores de Futebol. Empatamos com o Autonama (iniciativa da Alemanha nos mesmos moldes) num jogo antes da Copa do Mundo no Brasil, promovido pelo Sesc, Instituto Goethe, Governo do Estado, com televisionamento.
   
Sabe, eu cheguei lá...e sou muito grato a meus amigos de infância, ao polimento que o Tota me deu e, sobretudo, a esta nobre senhora, a Ferroviária.
    
Atualmente, além de jornalista esportivo, tenho trabalhado como produtor esportivo, com inteligência emocional e humor.
   
Estou trazendo o Neto, que foi meu colega de Tv Bandeirantes e estreou no mundo do teatro (stand up comedy) no último mês em São Paulo, com casa cheia no Bibi Ferreira. 
    
Vamos trazê-lo a Araraquara, como primeira cidade fora de São Paulo. Inédito. 
   
Fico feliz com tudo isso. Me sinto, com o título de Cidadão Araraquarense que recebi há dois anos, cada vez mais entusiasmado com a cidade e a Ferroviária." 

Ricardão (preparador físico), Márcio Rozabboni (Manga), Rodrigo Viana (Bigodinho), André Capi (Dedé), Rogério Gibim, Cristino, Juninho , Tota   -  Agachados: Emerson (Zé Pretinho), Mauricio Sotrati, Cléber Calderan, Cristiano  (Ti), Ricardo Dias, Marcelo, Di, Róbson (Róbson Silva).


GALERIA DE FOTOS 

Rodrigo Viana e Bazani

1995 - Jogo entre os integrantes do Jornal O Imparcial (com alguns reforços de amigos jogadores - Volney, Stanley, Fernando Leite) contra o Circo Moça Fiesta, da Nestlé

José Macia (Pepe) e Rodrigo

Rodrigo com seu livro "A BOLA E O VERBO"

Lançamento do livro, em Araraquara

Rodrigo Viana e Zico

Rodrigo recebendo o Título de Cidadão Araraquarense

Rodrigo e Pelé

Sport TV  -  Copa 2014

Treino do Pindorama

Promovendo evento com Neto em Araraquara

Texto de Rodrigo Viana, especial para “Ferroviária em Campo”
Fotos cedidas por Rodrigo Viana


Elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali

quinta-feira, 25 de maio de 2017

O PIO DA LOCOMOTIVA – ANO I (1964)

(Além de seu silvo tradicional, a Locomotiva de Araraquara passou a ter um PIO especial)


Piu, piuiiiii! Lá vai o trem... Assim se mostra a onomatopeia da locomotiva. 
         
Além do silvo peculiar, a Locomotiva de Araraquara passou a ter um PIO especial, a partir de 1964 e até 1969.
        
Procedente do amadorismo da cidade, com passagens pelo Santana Futebol Clube e pela ADA (Associação Desportiva Araraquara), PIO chegou à Ferroviária para integrar a equipe de Amadores.
     
Mas já em seu primeiro ano de AFE, o lépido ponteiro-esquerdo teve oportunidade no time principal, com José Agnelli, e acabou se firmando entre os titulares, marcando gols importantes e delineando um bom início de carreira no profissionalismo.


     
“Ferroviária em Campo” levantou os detalhes do início de PIO na Ferroviária de Araraquara e passa a mostrá-los:

Primeiro registro de Pio no time principal:
       
Dia 30 de maio de 1964 – Defelê 0 x 5 Ferroviária, em Brasília-DF, amistoso. Pio entrou durante a partida, em substituição a Rezende.

Segundo registro (1º jogo oficial de competição, valendo pelo Paulistão):
   
Dia 23 de agosto de 1964 – Noroeste 2 x 0 Ferroviária, em Bauru. Formou a Ferroviária com: Toninho; Zé Maria, Brandão e Beto; Rubens Sales e Rodrigues; Antoninho, Alencar, Tales, Capitão e Pio. Técnico: José Guillermo Agnelli.

Em pé: Dorival, Geraldo Scalera, Galhardo, Rodrigues, Zé Maria e Rubens Salles. Agachados: Alencar, Paulinho, Tales, Capitão e Pio.
         
Sequência dos jogos de Pio na AFE/1964:
      
Jogo 3 – 30.08.1964 – Santos 2 x 1 Ferroviária – Campeonato Paulista – 1º gol de Pio pela AFE, aos 5 minutos do 2º tempo.
   
Jogo 4 – 06.09.1964 – Ferroviária 2 x 1 Guarani – Campeonato Paulista – 2º gol de Pio pela AFE, na cobrança de pênalti.
       
Jogo 5 – 09.09.1964 – Portuguesa 0 x 2 Ferroviária – Campeonato Paulista 
        
Jogo 6 – 13.09.1964 – Ferroviária 0 x 3 Prudentina – Campeonato Paulista 
    
Jogo 7 – 20.09.1964 – Ferroviária 1 x 1 Botafogo – Campeonato Paulista 
     
Jogo 8 – 26.09.1964 – Corinthians 1 x 0 Ferroviária – Campeonato Paulista 
     
Jogo 9 – 04.10.1964 – São Bento 1 x 2 Ferroviária – Campeonato Paulista 
      
Jogo 10 – 11.10.1964 – Ferroviária 4 x 0 XV de Piracicaba – Campeonato Paulista 
        
Jogo 11 – 18.10.1964 – Ferroviária 1 x 1 São Paulo – Campeonato Paulista – Gol de Pio, 3º pela AFE.
        
Jogo 12 – 25.10.1964 – Ferroviária 2 x 0 Comercial – Campeonato Paulista 
      
Jogo 13 – 29.10.1964 – Palmeiras 2 x 1 Ferroviária – Campeonato Paulista 
      
Jogo 14 – 01.11.1964 – Juventus 5 x 1 Ferroviária – Campeonato Paulista 
      
Jogo 15 – 08.11.1964 – Ferroviária 2 x 0 Noroeste – Campeonato Paulista 
    
Jogo 16 – 11.11.1964 – Ferroviária 2 x 0 Esportiva (Guaratinguetá) – Campeonato Paulista – 1 gol de Pio, 4º pela AFE. 
    
Jogo 17 – 15.11.1964 – Ferroviária 0 x 0 Santos – Campeonato Paulista – No dia de seu aniversário (20 anos), Pio enfrentou o Santos de Gylmar; Ismael, Modesto e Geraldino; Zito e Lima; Peixinho, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe. E a Ferroviária segurou o Peixe na Fonte Luminosa, diante de 11.584 pagantes, com este time: Dorival; Fogueira, Galhardo e Zé Maria; Rubens Sales e Rodrigues; Antoninho, Alencar, Tales, Capitão e Pio. Técnico: Sylvio Pirillo.

Assim foi o primeiro ano de PIO na Ferroviária, em 1964. O ponteiro-esquerdo jogou 17 partidas, sendo 16 pelo Paulistão e um amistoso, em Brasília, na estreia. Marcou 4 gols, contra Santos, Guarani, São Paulo e Esportiva. Nesses 17 jogos, a Ferroviária conseguiu 8 vitórias, 3 empates e conheceu 6 derrotas. Marcou 26 gols (sendo 4 de Pio) e sofreu 19.
     
Portanto, PIO teve um expressivo início de carreira na Ferroviária, prenunciando um sucesso que se confirmou com o passar do tempo.



DADOS DO ATLETA 
    
Apelido: Pio
    
Nome: Osmar Alberto Volpe
               
Nascimento: 15 de novembro de 1944
        
Local: Araraquara (SP)
      
Posição: ponteiro-esquerdo
         
Período na Ferroviária: 1964 a 1969


Os irmãos Pio e Octávio Volpe

       
Títulos na AFE: Campeão da Primeira Divisão do Campeonato Paulista, em 1966; Tricampeão do Interior, de 1967 a 1969. Campeão dos Torneios Quadrangulares de Ribeirão Preto, Goiânia e Recife, em 1967. 
    
Despedida da AFE: 9 de março de 1969, no jogo da Rua Javari, em São Paulo, contra o C.A. Juventus, pelo Campeonato Paulista. Vitória da Ferroviária, 1 a 0, gol de Ismael. 



Aparecida do Norte - Após a vitória sobre o XV de Piracicaba por 1 a 0, no Pacaembu:
 Belluomini, Catira, Pio, Dobrada, Paina, Galvão, Brandão e Fernando

Pio, Wilson S. Luiz e Paulo Bim


Fontes:
- Tópicos do Passado da AFE, Prof. Antônio Jorge Moreira 
- Ferroviariasa.com.br (site oficial da Ferroviária)
- Tardes de Pacaembu (site) 
- Acervo de “Ferroviária em Campo”

Pesquisa, elaboração e edição:
Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

FERROVIÁRIA NA FONTE – ANO XXVI (1976)

CLIQUE NA FOTO PARA AMPLIAR (escalação no final da matéria)


A Ferroviária realizou 21 jogos em seu estádio – Fonte Luminosa – em 1976. Ganhou 9, empatou 7 e perdeu 5. Marcou 28 gols e sofreu 17.
    
Seu principal artilheiro jogando em casa foi Tite, com oito tentos.
   
Contra os grandes, a AFE empatou com o Corinthians, ganhou da Portuguesa e perdeu para Palmeiras e São Paulo. 

OS 21 JOGOS DA AFE NA FONTE (1976)
   
(Nº de ordem – Jogo – Data – Finalidade – Autores dos gols da Ferroviária)
1 – Ferroviária 0 x 0 Botafogo – 18.01.76 – Torneio Vicente Feola 
2 – Ferroviária 0 x 0 América – 01.02.76 – Torneio Vicente Feola 
3 – Ferroviária 4 x 1 Comercial – 08.02.76 – Torneio Vicente Feola – Tite (3) e Laerte 
4 – Ferroviária 1 x 1 Guarani – 28.02.76 – Campeonato Paulista – Wilson Carrasco 
5 – Ferroviária 0 x 0 Corinthians – 14.03.76 – Campeonato Paulista 
6 – Ferroviária 4 x 1 Marília – 28.03.76 – Campeonato Paulista – Zé Rubens (2), Tatinho e Tite 
7 – Ferroviária 1 x 1 Comercial – 04.04.76 – Campeonato Paulista – Tatinho 
8 – Ferroviária 2 x 1 Noroeste – 17.04.76 – Campeonato Paulista – Zé Roberto e Tite 
9 – Ferroviária 5 x 0 Portuguesa Santista – 21.04.76 – Campeonato Paulista – Tite (2), Samuel e Maurício (2) 
10 – Ferroviária 2 x 0 São Bento – 13.06.76 – Campeonato Paulista – Isildo e Laércio (contra) 
11 – Ferroviária 1 x 0 Portuguesa – 27.06.76 – Campeonato Paulista – Tite 
12 – Ferroviária 0 x 0 Ponte Preta – 11.07.76 – Campeonato Paulista 
13 – Ferroviária 1 x 2 Palmeiras – 14.07.76 – Campeonato Paulista – Zé Roberto 
14 – Ferroviária 1 x 3 XV de Piracicaba – 25.07.76 – Campeonato Paulista – João Carlos 
15 – Ferroviária 0 x 1 São Paulo – 11.08.76 – Campeonato Paulista 
16 – Ferroviária 1 x 2 Botafogo – 15.08.76 – Campeonato Paulista – Zequinha 
17 – Ferroviária 1 x 0 América – 22.08.76 – Campeonato Paulista – Maurício 
18 – Ferroviária 1 x 0 Marília – 19.09.76 – Torneio Geraldo José de Almeida – Edinho 
19 – Ferroviária 1 x 1 Comercial – 26.09.76 – Torneio Geraldo José de Almeida – (?) 
20 – Ferroviária 2 x 1 América – 24.10.76 – Torneio Geraldo José de Almeida – (?) 
21 – Ferroviária 0 x 2 Noroeste – 31.10.76 – Torneio Geraldo José de Almeida 

JOGARAM NA FERROVIÁRIA EM 1976
      
Sérgio Bergantin, João Luís, Valdir Valente, Wilson Carrasco, Marinho, Mauro, Ticão, Zé Carlos, Carlos, Sérgio Miranda, Beto, Neno, Paulão, Samuel, Laerte, João Carlos, Ademir, Marcos, Wagner, Tatinho, Zé Rubens, Tite, Maurício, Paulo Sérgio, Zé Roberto, Isildo Gomes, Joel, Roberto, Edinho, Lincoln, Zequinha, Hastel, Romero 

RESUMO



ARTILHARIA GRENÁ NA FONTE (1976)
    
1º - Tite (foto), 8 gols 
2º - Maurício, 3 
3º - Zé Rubens, Tatinho e Zé Roberto, 2 
6º - Laerte, Wilson Carrasco, Samuel, Isildo, João Carlos, Zequinha, Edinho e Laércio (do São Bento, contra), 1 
   
Obs.: Levantamento parcial, faltando a autoria de três tentos


Fonte:
Acervo de “Ferroviária em Campo”
Fotos: Foto de abertura: Futebol Barretos (Ferroviaria 1976 - Em pé: Armandão massagista, Sérgio Miranda, Marinho, Laerte, Mauro Pastor, Sérgio Bergantin e Carlos beronha
Abaixados: Izoldo, Wilson Carrasco, Tite, Ademir e Zé Roberto)

Pesquisa, elaboração e edição:
Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

terça-feira, 23 de maio de 2017

CONTRA OS GRANDES, OS TRÊS PRIMEIROS JOGOS DE PAULO CÉSAR DE OLIVEIRA COM A CAMISA DA FERROVIÁRIA




Nome: Paulo César de Oliveira
Apelidos: Paulo César, PC, PC de Oliveira
Data de nascimento: 6 de setembro de 1960
Cidade natal: Araraquara (SP)
Posição: Meio-campo
Período na AFE: 1977, 1978, 1979, 1984, 1985
Jogou também no Guarani: 1980, 1981


A torcida da Ferroviária certamente se lembra do dia 18 de fevereiro deste ano, quando a sua equipe, nas condições mais adversas dentro do Campeonato Paulista, foi orientada tecnicamente por Paulo César de Oliveira, pela primeira vez.
            
A estreia de PC como treinador de futebol aconteceu em meio a um ambiente de grande apreensão dado que a situação afeana no Paulistão era das piores, indicando um provável rebaixamento.
      
Pois Paulo César, exitoso técnico do futsal, começou essa nova atribuição da melhor maneira possível: derrotou o Santos, em plena Vila Belmiro e conduziu o quadro afeano rumo à salvação, livrando-o do fantasma do rebaixamento.

PC Oliveira comandando a Ferroviária diante do Santos (Vila Belmiro - 2017)

MESMA SITUAÇÃO COMO ATLETA
               
Quarenta anos antes, em 1977, Paulo César fazia sua estreia no time principal da Ferroviária, lançado por Aymoré Moreira. Também em meio à preocupação da massa grená, com o risco da queda.
       
A Ferroviária não desenvolvia boa campanha, até a chegada do experiente e consagrado técnico campeão do mundo pelo Brasil em 1962.
           
E foi exatamente Aymoré Moreira quem tomou a decisão de lançar Paulo César no time, na posição de volante, em substituição a Samuel, que continuou jogando, mas como quarto-zagueiro.
         
A estreia de PC no meio-campo da Locomotiva se deu no dia 17 de julho de 1977, contra o Palmeiras, na Fonte Luminosa. O empate por 2 a 2 contra o Verdão mostrou a equipe bem orientada e desenvolvendo um bom futebol, com poder de reação porque chegou a estar perdendo por 2 a 0. Três dias depois, na Vila Belmiro, a segunda presença de PC no time. A derrota pela contagem mínima não abateu os afeanos. No jogo seguinte, de volta à Fonte Luminosa, a Ferroviária teve outro grande desafio, contra a Portuguesa de Desportos, e conseguiu empatar, 1 a 1. Paulo César atuou o tempo todo dos dois primeiros jogos (contra Palmeiras e Santos) e entrou durante o encontro com os lusos do Canindé, em substituição a Wilson Carrasco. 
      
Portanto, começar em meio às maiores dificuldades, seja como futebolista ou como técnico, foi uma peculiaridade na carreira do competente profissional.

Paulo César  numa formação da Ferroviária/1978 -  Em pé: Sérgio Bergantin, Samuel, Paulo César, Carlos, Sérgio Miranda e Mauro Pastor; Agachados: Lucas, Washington, João Carlos, Alfredo e Ângelo. Museu da Ferroviária ( Acervo: Ângelo - ex-jogador da AFE)

CAMPEÃO NO PRIMEIRO ANO COMO ATLETA
         
Aymoré Moreira livrou a AFE do rebaixamento no Paulistão e seguiu para Ribeirão Preto, contratado pelo Botafogo. 
    
A saída de Aymoré, porém, não tirou da Locomotiva o seu alento. Aliviado por permanecer na divisão principal do futebol bandeirante, o elenco grená entrou nas disputas do Torneio Seletivo patrocinado pela Federação Paulista de Futebol.
           
Sucesso pleno dos atletas que passaram a ter um novo comando técnico: de Olivério Bazani Filho. A Ferroviária chegou à decisão do torneio, contra o São Bento de Sorocaba, ganhou bem o jogo de ida, na Fonte, por 2 a 0, gols de Volnei. E no encontro de volta, em Sorocaba, segurou o 0 a 0 e levantou a taça.
   
Paulo César de Oliveira participou ativamente dessa conquista, formando o meio-campo ao lado de alguns companheiros, durante o andamento da competição: Samuel, Wilson Carrasco, Advilson, Duda...
    
Portanto, já em seu primeiro ano como integrante do elenco de profissionais da AFE, PC conheceu o sabor da conquista de um título.


OS TRÊS PRIMEIROS JOGOS DO ATLETA PC NA FERROVIÁRIA (1977)
        
1º jogo – Ferroviária 2 x 2 Palmeiras 
Data – 17 de julho de 1977, domingo à tarde
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP) 
Finalidade – Campeonato Paulista/2º turno 
Árbitro – Márcio Campos Sales 
Renda – Cr$ 235.130,00
Público – 11.606 pagantes 
Gols da Ferroviária – Wilson Carrasco, 22’, e Gílson, 30’ do 2º tempo
Gols do Palmeiras – Toninho, 25’/1º e Jorge Mendonça, 16’/2º 
Ferroviária – Sérgio; Paulão, Mauro, Samuel e Mílton; Paulo César e Tinteiro; Zé Rubens, Wilson Carrasco (Maurício), Gílson e Ferreira. Técnico: Aymoré Moreira 
Palmeiras – Bernardino; Rosemiro, Beto Fuscão, Mário Sotto e Zeca (Ricardo); Pires e Ademir da Guia; Edu, Jorge Mendonça, Toninho e Nei (Macedo). Técnico: Dudu 

2º jogo – Santos 1 x 0 Ferroviária 
Data – 20 de julho de 1977, quarta-feira à noite 
Local – Vila Belmiro, em Santos (SP) 
Finalidade – Campeonato Paulista/2º turno 
Árbitro – José Favilli Neto 
Renda – Cr$ 265.860,00
Público – 12.715 pagantes 
Gol – Nílton Batata, 31’/1º 
Santos – Ernani; Fausto, Joãozinho, Alfredo, Fernando, Bianchi, Zé Mário (Aílton Lira), Juari, Nílton Batata (Calu), Toinzinho e Reinaldo. Técnico: Oto Glória 
Ferroviária – Sérgio, Paulão, Mauro, Samuel, Mílton, Paulo César, Tinteiro (Maurício), Zé Rubens, Gílson, Wilson Carrasco e Ferreira. Técnico: Aymoré Moreira 

3º jogo – Ferroviária 1 x 1 Portuguesa 
Data – 24 de julho de 1977, domingo à tarde 
Local – Fonte Luminosa, em Araraquara (SP) 
Finalidade – Campeonato Paulista/2º turno 
Árbitro – Oscar Scolfaro 
Renda – Cr$ 74.800,00 
Público – 4.015 pagantes 
Gol da Ferroviária – Gílson, 7’/2º 
Gol da Portuguesa – Enéias, 27’/2º 
Ferroviária – Sérgio, Mílton, Mauro, Sérgio Miranda, Carlos, Samuel, Tinteiro, Zé Rubens, Wilson Carrasco (Paulo César), Gílson e Ferreira (Helinho). Técnico: Aymoré Moreira 
Portuguesa – Moacir, Marinho, Mendes, Calegari, Bolívar, Badeco, Eudes, Antônio Carlos, Tata, Enéias e Valtinho (Julinho) 

Fonte:
Acervo de “Ferroviária em Campo”
Fotos: Internet; Guia Placar (Camp. Paulista).

Pesquisa, elaboração e edição:
Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

segunda-feira, 22 de maio de 2017

O PAULISTÃO DE PARRAGA NA FERROVIÁRIA





Jorge Porto Iparraguirre, seu nome completo. Parraga, seu apelido. Nascido em 15 de julho de 1950, em Porto Alegre-RS, o atacante veio para a Ferroviária aos 29 anos de idade especificamente para disputar o Campeonato Paulista de 1979.
   
Começou de forma arrasadora. A Locomotiva enfrentou dois “grandes” nas duas primeiras rodadas do certame, e Parraga marcou três gols, um contra o Corinthians na estreia do dia 1º de julho, na Fonte Luminosa, e dois contra o São Paulo, na Capital, três dias depois.  
   
Durante o extenso Paulistão daquele ano, Parraga não seria o principal artilheiro afeano, primazia conquistada pelo ponteiro-esquerdo Galdino, autor de 11 tentos. Parraga marcou apenas meia dúzia de vezes, mas foram gols importantes que asseguraram bons resultados para a agremiação de Araraquara. 
   
Grande mérito do avante grená foi sua regularidade: dos 43 jogos realizados pela AFE, Parraga disputou 38, ficando de fora em apenas cinco compromissos. 
   
O gaúcho integrou um elenco forte, que deu à Ferroviária uma classificação para a Segunda Fase do Paulistão, etapa mais avançada da competição. 
   
Nessa segunda fase, a Ferroviária manteve-se invicta e ameaçou seriamente a classificação do Corinthians. Terminou com a mesma pontuação obtida pelo Alvinegro, mas com uma vitória a menos.
   
Quase que a AFE foi para a decisão do Campeonato Paulista de 1979 com Palmeiras, Ponte Preta e Guarani. Tivesse ela vencido o Botafogo, na última rodada da Segunda Fase, na Fonte Luminosa, e as Semifinais seriam alcançadas. Ficou no empate, embora saísse na frente com um gol de Paulo César de Oliveira, hoje treinador da Ferroviária. 
   
E Parraga foi elemento de valor nessa trajetória vitoriosa dos grenás.
   
Parraga disputou 38 jogos do Paulistão/79. Com ele, a Ferroviária ganhou 11 jogos, empatou 18 e perdeu 9. Portanto, um saldo vantajoso. 
   
No geral, a AFE disputou 43 partidas, ganhou 12, empatou 20 e perdeu 11. Marcou 33 gols e sofreu 37.

Em pé: Luís Florêncio, Sérgio Miranda, Tião, Samuel, Carlos e Nandes Agachados: Toninho, Washington, Parraga, PC e Galdino .

OS GOLS DE PARRAGA PELA FERROVIÁRIA, NO PAULISTÃO DE 1979 
  
01.07.79 – Ferroviária 2 x 2 Corinthians – 1 gol, aos 16’/2º tempo
04.07.79 – São Paulo 0 x 2 Ferroviária – 2 gols, aos 6’ e 29’ do 1º
18.07.79 – Ferroviária 3 x 0 São Bento – 1 gol, aos 16’/2º 
25.07.79 – Francana 1 x 1 Ferroviária – 1 gol, aos 15’/1º 
16.09.79 – Ferroviária 2 x 0 Noroeste – 1 gol, aos 36’/1º 

CURTA PERMANÊNCIA NA FERROVIÁRIA 
   
Parraga teve uma permanência curta na Ferroviária: apenas no segundo semestre de 1979. Mas é sempre lembrado pelos torcedores grenás pela sua aplicação.
  
O atacante defendeu vários clubes e depois tornou-se técnico, trabalhando em número maior ainda de agremiações, dentre as quais o Palmeiras, Rio Branco, Novorizontino, Mirassol, Independente (Limeira) e os juniores de Grêmio e Portuguesa. 

QUEM JOGOU NA LOCOMOTIVA EM 1979
   
Tião, Sérgio Bergantin, Carlos, Nei Dias, Paulão, Sérgio Miranda, Mauro, Sabará, Vica, Samuel, Luís Florêncio, Zé Rubens, Cuca, Paulo Lampa, Nandes, Alfredo, Ned, Paulo César de Oliveira, Serginho, Vilfredo, Washington, Douglas Onça, Lavinho, Adilson, Helinho, Lucas, Galo, Bispo, Toninho, Radar, Parraga, João Carlos, Galdino, Gerson, Sérgio Félix, Carlos Henrique 

Parraga e Mário José, defendendo o Inter de Lages

Ponte Preta da década de 1970. Em pé: Mauro Dias, Polozzi, Oscar, Vanderlei, Moacir e Odirlei; Agachados: Lúcio, Marco Aurélio, Parraga, Dicá e Genau


Fonte:
Acervo de “Ferroviária em Campo”
Fotos:

Pesquisa, elaboração e edição:
Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali 

domingo, 21 de maio de 2017

FERROVIÁRIA: 88 TÉCNICOS



“Ferroviária em Campo” listou, em ordem alfabética, e com os dados pessoais da maioria, os nomes dos 88 técnicos que trabalharam na Ferroviária e a ajudaram a construir uma história fantástica ao longo de 67 anos de existência. 
    
Desses 88 treinadores, 17 também jogaram na Locomotiva.
    
Foram oito estrangeiros. E oito araraquarenses.
    
Se o amigo afeano souber de informações que não constam desta matéria, e puder nos passar, teremos o maior prazer em incluí-las neste levantamento. Tudo pela Ferroviária!

Nº de ordem – Apelido – Nome completo – Data nascimento – Cidade natal
    
1 – ABEL PICABÉA (Abel Picabéa Allero) – 20.06.1906 – Buenos Aires (ARG) 
2 – AÍLTON SILVA (Aílton dos Santos Silva) – 31.10.1966 – São Paulo (SP) 
3 – ALMEIDA (Aparecido Dias de Almeida) – 1936 – Botucatu (SP) 
4 – ANTÔNIO PICOLI (Edemar Antônio Picoli) – 28.04.1972 – Caibi (SC) 
5 – ARMANDO RENGANESCHI (Armando Federico Renganeschi) – 10.05.1913 – Capitán Sarmiento (ARG) 
6 – AYMORÉ MOREIRA – 24.04.1912 – Miracema (RJ) 
7 – BAUER (José Carlos Bauer) – 21.11.1925 – São Paulo (SP) 
8 – BAZANI (Olivério Bazani Filho) – 03.06.1935 – Mirassol (SP) 
9 – BUSTAMANTE (Luís Paulo Bustamante) – 02.04.1957 – Rio de Janeiro (RJ) 
10 – CAETANO DE DOMÊNICO – 31.10.1895 – Messina (ITA) 
11 – CAPILÉ (Clóvis Van Dick) – 20.03.1916 
12 – CARLITO ROBERTO 
13 – CARLOS ALBERTO SILVA  - 14.08.1939 – Bom Jardim de Minas (MG) 
14 – CARLOS RABELLO (Carlos Fernando Rabello Barbosa) – 28.05.1964 – Tambaú (SP) 
15 – CARLOS ROSSI (Carlos Leone Rossi) – 23.09.1959 – Rio de Janeiro (RJ) 
16 – CATANOCE (Paulo Cezar Catanoce) – 08.11.1964 – Onda Verde (SP) 
17 – CILINHO (Otacílio Pires de Camargo) – 09.02.1939 – Campinas (SP) 
18 – CLÁUDIO GARCIA (Cláudio Galbo Garcia) – 09.10.1943 – São Paulo (SP) 
19 – DIEDE LAMEIRO (Diede José Gomes Lameiro) – 15.02.1934 – Casa Branca (SP) 
20 – DORIVAL JÚNIOR (Dorival Silvestre Júnior) – 25.04.1962 – Araraquara (SP) 
21 – DOUGLAS NEVES – 02.09.1969 – Araraquara (SP) 
22 – DUDU (Olegário Toloi de Oliveira) – 07.11.1939 – Araraquara (SP) 
23 – ÉDISON SÓ (Édison Rodrigues Cremonini) – 19.03.1953 – Lins (SP) 
24 – EDNELSON (Ednelson da Conceição Silva) – 03.07.1970 – Engenheiro Beltrão (PR) 
25 – EDSON MARIANO (Edson Mariano da Silva) – 09.08.1965 – Rio de Janeiro (RJ) 
26 – ESTEBAN HORY  - Hungria 
27 – FABRÍCIO MAIA (Fabrício Cândido Maia) – 08.04.1974 – Araraquara (SP) 
28 – FANTATO (Rubens Fantato Filho) – 21.03.1955 – Campinas (SP) 
29 – FELÍCIO CUNHA (Felício Aparecido da Cunha) – 02.01.1963 – Caconde (SP) 
30 – FERNANDO (Fernando Paolillo) – 30.10.1945 – São Caetano do Sul (SP) 
31 – FERNANDO SÁTIRO (Fernando Cordeiro Sátiro) – 04.06.1937 – Fortaleza (CE) 
32 – FESCINA (José Carlos da Silva Fescina) – 09.01.1942 – São Paulo (SP) 
33 – FITO NEVES (Adolfo José Lima Neves) – 11.04.1951 – Taubaté (SP) 
34 – FLOREAL GARRO (Floreal Libertario Garro) – 27.12.1914 – Buenos Aires (ARG) 
35 – FRANCISCO SARNO (Francisco José Sarno Matarazzo) – 05.11.1924 – Niterói (RJ) 
36 – GALLI (José Galli Neto) – 03.12.1950 – São Paulo 
37 – GASPAR (Gaspar Berrance Filho) – 26.12.1928 
38 – ILZO NERY – 26.05.1937 – Maceió (AL) 
39 – ITO ROQUE (Adilson Roque) – 03.07.1968 – Araraquara (SP) 
40 – IVO SECCHI (Ivo Fernando Secchi) – 05.10.1965 – Araçatuba (SP) 
41 – JOÃO LIMA – 1916 – Batatais (SP) 
42 – JOÃO MARTINS – 20.01.1970 – Araraquara (SP) 
43 – JOÃO RICARDO (João Ricardo Cardoso) – 17.04.1957 – Itápolis (SP) 
44 – JORGE SARAN (Honorato Jorge Saran) – 15.04.1962 – Sertãozinho (SP) 
45 – JOSÉ AGNELLI (José Guillermo Agnelli) – 10.01.1912 – Buenos Aires (ARG) 
46 – LAONE (Laone Luiz Luz) – Rio Grande do Sul 
47 – LAPOLLA (Sebastião Lapolla) – São Paulo (SP) 
48 – LUIZ BOCUCCI - BOCA (Luiz Bocucci Neto) 
49 – LUIZ CARLOS FERREIRA (Luiz Carlos Ferreira Santos) – 12.05.1952 – São José do Rio Preto (SP) 
50 – LUIZ PATTI (Luiz Patti Filho) – 29.03.1958 – Taquaritinga (SP) 
51 – MANGA (Agenor Gomes) – 26.05.1929 – Vitória (ES) 
52 – MARÃO (Mário Celso de Abreu) – 08.05.1923 – Belo Horizonte (MG) 
53 – MARCÃO (Marcos Benedito Marcelo) – 10.05.1954 – Americana (SP) 
54 – MÁRCIO RIBEIRO (Márcio José Ribeiro e Silva) – 12.03.1957 – Palmeiras D’Oeste (SP) 
55 – MARCO ANTÔNIO (Marco Antônio Machado) – 1950 – Presidente Alves (SP) 
56 – MÁRIO TRAVAGLINI – 30.04.1932 – São Paulo (SP) 
57 – MAZINHO (Alvimar Eustáquio de Oliveira) – 20.02.1948 – Belo Horizonte (MG) 
58 – MILTON MENDES – 25.04.1965 – Criciúma (SC) 
59 – MODESTO BRÍA – 08.03.1922 – Encarnación (PAR) 
60 – MOISÉS EGERT – (Laurence Moisés Camargo Egert) – 01.01.1977 – São Borja (RS) 
61 – PALHINHA (Vanderlei Eustáquio de Oliveira) – 11.06.1950 – Belo Horizonte (MG) 
62 – PARDAL (Antônio Augusto Pereira) – 04.05.1949 – São Paulo (SP) 
63 – PAULO CÉSAR – PC OLIVEIRA (Paulo César de Oliveira) – 06.09.1960 – Araraquara (SP) 
64 – PICOLIN (Djalma Bonini) 
65 – POLOZZI (José Fernando Polozzi) – 01.10.1955 – Louveira (SP) 
66 – RENÊ SIMÕES (Renê Rodrigues Simões) – 17.12.1952 – Rio de Janeiro (RJ) 
67 – RICARDO MORAES – 18.07.1971 – São Paulo (SP) 
68 – ROBERTO BRIDA – 30.01.1945 – Itajobi (SP) 
69 – RUBENS MINELLI (Rubens Francisco Minelli) – 19.12.1928 – São Paulo (SP) 
70 – RUY CAMPOS 
71 – SÉRGIO CLÉRICE – 25.05.1941 – São Paulo (SP) 
72 – SÉRGIO VIEIRA (Sérgio Agostinho de Oliveira Vieira) – 15.01.1983 – Póvoa de Lanhoso (POR) 
73 – SYLVIO PIRILLO – 26.07.1916 – Porto Alegre (RS) 
74 – TADEU CARVALHO 
75 – TELÃO (Sérgio Luiz Bonifácio)  13.03.1957 - Araraquara (SP)
76 – TONINHO COBRA (Antônio Fernandes) – 13.06.1963 – Sertãozinho (SP) 
77 – TONINHO MOURA (Antônio Moura Sanches) – 22.07.1954 – Bauru (SP) 
78 – VAIL MOTTA (Vail Pelegrineti Motta) – 21.06.1938 – Itirapina (SP) 
79 – VALMIR GRITTI – 11.02.1958 – Ribeirão Preto (SP) 
80 – VICENTE ARENARI FILHO – 23.03.1935 – Natividade (RJ) 
81 – VILSON TADEI – 02.06.1954 – Urupês (SP) 
82 – WAGNER LOPES (Wagner Augusto Lopes) – 29.01.1969 – Franca (SP) – Obs.: Não chegou a dirigir o time em nenhum jogo. Apenas preparou o elenco. 
83 – WALDIR PERES (Waldir Peres de Arruda) – 02.01.1951 – Garça (SP) 
84 – WILSON CARRASCO (José Wilson Carrasco) – 04.12.1951 
85 – WILSON MANO (Wilson Carlos Mano) – 23.05.1964 – Auriflama (SP0 
86 – ZÉ HUMBERTO (José Humberto de Oliveira) – 30.07.1962 – Uberaba (MG) 
87 – ZEZINHO (José da Silva) – Obs.: 1º técnico da história da Ferroviária.
88 – ZEZITO (José Araújo da Silva) – 1955 – Jaboticabal (SP) 

Fontes:
O Imparcial
Acervo de “Ferroviária em Campo” 

Pesquisa, elaboração e edição: Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Luís Micali